Esgoto passa na porta da casa de 18,6 milhões de brasileiros

Pelo menos 18,6 milhões de brasileiros - quase a população de Minas - vivem em áreas urbanas com esgoto a céu aberto nas portas de suas casas, mostra pesquisa do Censo 2010. As pessoas expostas ao esgoto equivalem a 12% da população pesquisada.

RIO, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2012 | 03h04

Do total de domicílios analisados, 11% ficam próximos a valas ou córregos que recebem esgoto. São 5,1 milhões de casas onde vivem principalmente pobres, crianças e negros ou pardos.

De todas as capitais, o cenário em Teresina é alarmante. Sete em cada dez domicílios, ou 71,8%, tinham esgoto a céu aberto. Entre as cidades com mais de 1 milhão de habitantes, Belém tem o maior índice: 44,5% dos domicílios. A média nacional elevada é causada pelos altos índices das Regiões Norte (32,9%) e Nordeste (26,3%), que contrastam com o Centro-Oeste (2,9%).

O esgoto atinge com mais intensidade os domicílios com crianças de zero a 9 anos - 15% vivem em casas com valões de esgoto. "A cidade não vai ser saudável se as comunidades carentes não forem", diz o sanitarista Alexandre Pessoa Dias, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Dois dos cinco filhos do pedreiro Ivanildo Santos, de 43 anos, estão doentes. Ontem, foram medicados em um posto de saúde do bairro Terra Firme, em Belém. Com febre e diarreia, a doença das crianças diagnosticada pelo médico é problema comum na vizinhança. "A gente está cansado de pedir a atenção do governo, mas ninguém quer saber do nosso sofrimento", diz Santos. O bairro, na bacia do igarapé do Tucunduba, tem acúmulo de lixo e 95% das casas não têm esgoto. / L.N.L. e CARLOS MENDES, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.