Escritório famoso assinou construção

Quando foi inaugurado, no dia 27 de abril de 1940, o Estádio do Pacaembu era tudo o que paulistanos ávidos por esporte e cultura queriam: uma arena multiuso que serviria para prática de esportes e apresentação de concertos e recitais. Sua concepção ficou a cargo do escritório do famoso arquiteto Ramos de Azevedo, que projetou o Teatro Municipal, a Estação Júlio Prestes e outros símbolos da cidade.

/ RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2012 | 03h02

Após Azevedo falecer, em 1928, o escritório ficou na mão de dois de seus antigos auxiliares, que, ao longo do tempo, haviam ganhado sua confiança e se tornado sócios: o arquiteto português Ricardo Severo e o engenheiro Arnaldo Villares.

A empresa foi contratada pelo governo estadual em 1936 para tocar as obras. "Dá-se assim mais um grande passo para dotar São Paulo de uma obra pública que desde muito tempo seu progresso em educação pública clamorosamente exigia", publicou o Estado no dia seguinte à assinatura do contrato.

O projeto original, no entanto, já foi modificado desde então. A maior mudança foi a demolição da concha acústica em 1969, que deu espaço ao tobogã e aumentou a capacidade em mais 10 mil pessoas. Desde 1998, porém, o estádio é tombado pelo órgão estadual de patrimônio e só pode ser modificado com autorização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.