Escolas cariocas se dividem entre musas tradicionais e novatas

Entre as que reinam soberanas há vários anos na mesma escola está Raissa Oliveira, rainha da Beija-Flor há uma década

HELOISA ARUTH STURM / RIO, O Estado de S.Paulo

13 Janeiro 2013 | 02h05

Além da paulistana Camila Silva, a atriz Juliana Alves também vai, pela primeira vez, ter lugar de destaque no sambódromo do Rio, à frente dos ritmistas da Unidos da Tijuca. Ela assume o posto deixado pela modelo Gracyanne Barbosa, que voltou à Mangueira depois de quatro anos longe da agremiação.

Juliana já participou de outros desfiles no passado, quando ainda era desconhecida do público, mas diz que o frio na barriga agora é muito maior, por causa da importância do posto. "Ser rainha de bateria da campeã do carnaval tem um peso muito maior. Tem de ter uma integração com os ritmistas e eu tenho procurado desenvolver uma performance que seja à altura da escola", diz a ex-BBB, que interpretou a vilã Dinha na novela Cheias de Charme.

A atriz já desfilou também pelo Salgueiro e pela Vila Isabel, mas diz que o seu coração é da Unidos da Tijuca. "Eu tenho um sentimento muito forte pela Tijuca, por ter sido a primeira escola em que eu desfilei na vida e por ter sido a que me fez me apaixonar pelo carnaval."

Há novidade também na Imperatriz Leopoldinense. Depois de 17 anos à frente da bateria, a eterna rainha Luiza Brunet foi tirada do posto, por decisão da diretoria da escola - a modelo vinha faltando muito aos ensaios. Quem a substitui é outra atriz global. Cris Vianna, que já foi rainha da Grande Rio em 2011 e atualmente está em cena na novela Salve Jorge, terá a missão de manter o charme e o carisma do reinado de Luiza.

As substituições das rainhas são frequentes em todo carnaval e neste ano não seria diferente. Na Portela, sai a atriz Sheron Menezes para entrar a publicitária Patrícia Nery, que enfrentou boatos de que teria comprado o posto. Já Ana Furtado, que brilhou na Grande Rio, abriu mão do posto por causa de outros compromissos profissionais e será substituída pela dançarina Carla Prata, assistente de palco do Faustão.

Mas há também as que reinam soberanas na mesma escola há anos. É o caso de Raissa Oliveira, de 22 anos, rainha da Beija-Flor desde os 12, e também de Bruna Almeida, da São Clemente. Sobrinha do atual presidente da agremiação, Renato Almeida Gomes, ela domina o sambódromo há 13 anos. Quem parece estar criando uma tradição do tipo é a musa Viviane Araújo. Ela desfila no Salgueiro desde 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.