JOSÉ PATRICIO/ESTADÃO
JOSÉ PATRICIO/ESTADÃO

Escolas alertam para desperdício de água na volta às aulas

Estaduais valorizam conscientização e uso de cisternas; particulares que investiram em poços se mostram tranquilas

Edgar Maciel, O Estado de S. Paulo

03 Fevereiro 2015 | 03h00

No dia em que mais de 4 milhões de alunos da rede estadual de ensino voltaram às aulas em São Paulo, os avisos na entrada das escolas, aulas explicativas e a conversa com os pais foram os métodos mais usados para evitar o desperdício de água pelos estudantes. A reportagem do Estado visitou cinco instituições públicas da capital e em nenhuma houve interrupção no abastecimento nesta segunda-feira, 2. 

Antes das férias acabarem, a prioridade foi buscar alternativas baratas para reduzir o consumo. Segundo as escolas, a Secretaria Estadual de Educação realizou três reuniões em conjunto com a Sabesp para definir como será a comunicação, caso ocorram problemas de desabastecimento.

Desde segunda-feira, as 2,2 mil escolas estaduais da região metropolitana de São Paulo passaram a ter um canal direto com a companhia, por meio de uma linha telefônica, para que as unidades de ensino avisem caso falte água. “Todas as estaduais estão trabalhando com a perspectiva de usar racionalmente a água. Precisamos expandir essas boas práticas para as comunidades atendidas”, disse o secretário de Estado da Educação, Herman Voorwald.

Logo na entrada da Escola Prudente de Moraes, na região da Luz, centro de São Paulo, há um aviso aos pais: “Ajude e ensine o seu filho a poupar água. Estamos nessa juntos”. “Achei muito importante porque isso deixa nossos filhos conscientes do que realmente está acontecendo na cidade. E leva essa consciência para dentro de casa também”, disse Cláudia Oliveira, de 42 anos, mãe de um aluno.

Cisterna. A escola, inaugurada há seis meses, é uma das 11 no Estado que apresentam o sistema de cisterna, que armazena a água da chuva e faz o reúso na descarga dos banheiros. 

Ao todo, são 30 mil metros cúbicos economizados por mês. “Felizmente, a água da Sabesp é secundária aqui na escola. Além da água da chuva, a cisterna também reserva água potável e isso nos dá um conforto, caso falte água”, afirma a diretora Liete Ferraz.

A meta da secretaria é instalar as cisternas em 2,8 mil escolas do Estado até 2018 e economizar 6,4 milhões de metros cúbicos de água. Cerca de cem instituições estão com a construção em andamento - a maioria na região metropolitana.

Na zona norte da capital, no entanto, o clima é de apreensão entre os pais. Patrícia Pereira, de 34 anos, tem dois filhos na Escola Estadual Padre Manoel da Nóbrega, no Jardim das Laranjeiras. “Em novembro e dezembro, meus filhos foram liberados das aulas porque não tinha água no colégio. Isso deixa a gente preocupado com o que pode acontecer”, afirmou.

Particular. Em algumas instituições particulares, a crise não é motivo para preocupação. As escolas se anteciparam ao racionamento e construíram poços artesianos como reserva de abastecimento. 

No Colégio Bandeirantes, por exemplo, o fornecimento da Sabesp é secundário. Um poço, construído na década de 1990, garante a água para mais de 3 mil alunos. “Ao consumir a água do poço, a gente faz nossa parte para preservar os reservatórios. É como se a crise não tivesse chegado por aqui”, disse o diretor de infraestrutura do colégio, Sérgio Boggio.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo crise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.