Escola tem livre acesso

Não é necessário ser aluno ou professor para entrar na Escola Estadual Professor Walfredo Arantes Caldas, na Brasilândia, zona norte de São Paulo. Basta esperar o horário de entrada dos estudantes e se misturar a eles. Foi o que fez a reportagem no início da tarde de ontem. Entrou, teve livre acesso aos corredores das salas repletas de crianças, circulou pelo pátio e saiu. Tudo sem ter de se identificar e sem ser abordado por nenhum funcionário.

Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2011 | 00h00

Durante o horário das aulas, a reportagem também esteve em outras três escolas públicas: Espiridião Rosas, no Jaguaré, zona oeste; Mário Helena de Arruda, na Brasilândia, zona norte; e Ministro Costa Manso, no Itaim-Bibi, zona sul.

Nelas, foi possível chegar apenas até a secretaria. O pátio fica fechado, impedindo o acesso até as salas de aula.

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação informou que "as escolas estaduais são equipamentos públicos abertos aos alunos, pais, professores e comunidade", que contam com o "apoio de 23 mil agentes para a entrada e saída dos estudantes" e que 1,5 mil escolas estaduais são monitoradas por câmeras.

A rede municipal de ensino, por sua vez, mantém inspetores nos períodos de entrada e saída de estudantes. No resto do dia, portões ficam fechados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.