Marcio Fernandes/AE-2/2/2009
Marcio Fernandes/AE-2/2/2009

Erro faz veículos serem reprovados em inspeção

Limites de ruído nos documentos de modelos da Mercedes, Mitsubishi e de moto da Yamaha são maiores que os da Controlar

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2011 | 00h00

Dois meses após se tornar item de reprovação na inspeção veicular de São Paulo, a análise de ruído já tem feito as primeiras vítimas. Motoristas não têm conseguido passar na avaliação porque os limites que constam no documento dos veículos - em pelo menos três modelos - são maiores do que o registrado na Controlar, empresa responsável pela inspeção. O problema é que as montadoras informaram dados errados.

A reportagem confirmou três modelos em que houve o erro: Mercedes Benz ML 63 AMG, Mitsubishi TR4 (até 2008) e a moto Yamaha XT660 R (2009). Os veículos somam mais de 26 mil unidades vendidas nos períodos correspondentes.

O número de modelos pode crescer, uma vez que o problema só é detectado quando o motorista faz a inspeção. Na hora da análise, a Controlar leva em conta o limite estipulado na portaria da Secretaria do Verde e Meio Ambiente que dispõe das regras do processo. O documento, por sua vez, teve como fonte os limites disponíveis no site das montadoras. "Percebemos pelo menos dez casos em que houve esse problema e cabe às montadoras apresentar as divergências (à secretaria)", afirmou o diretor executivo da Controlar, Eduardo Rosin. O ruído tem apresentado um índice de reprovação de quase 1% da frota, segundo a Controlar. Cerca de 70 mil.

Reprovado. O economista Sérgio Schwarz, de 60 anos, não entendia o motivo de sua Pajero TR4 ser reprovada. No mês passado, foram cinco reprovações. "No manual do meu carro tinha o valor de 94,5 dB (nível de ruído), mas no canhoto da Controlar com a reprovação aparecia 85", diz ele, que já pagou três vezes a taxa de R$ 61,89. "Ainda estou no prazo, mas não sei o que fazer."

Não há previsão para que os valores corretos sejam atualizados nos modelos da Mitsubishi e da Mercedes. As empresas afirmam que já repassaram os novos valores à secretaria. Ambas informaram que quem tiver prejuízo pode procurar a empresa. A Mitsubishi informou que já entrou em contato com Schwarz para resolver o problema.

Apenas a Yamaha XT660 R teve a informação corrigida em portaria publicada ontem no Diário Oficial, que atualizou novos modelos das fabricantes citadas - além da Kia Motors. Foi modificado o limite de rotação do motor na hora da inspeção, que originalmente estava mais alto que o correto. A empresa também informou que os proprietários que se sentirem lesados podem procurar o serviço de atendimento.

A Assessoria de Imprensa da Secretaria do Verde não informou quais foram as alterações trazidas pela portaria e por que não houve alterações nos limites da Mitsubishi e da Mercedes.

PARA LEMBRAR

A inspeção veicular de São Paulo tem um longo histórico de problemas. Ano passado, quando a avaliação passou a valer para toda a frota, o Ministério Público abriu um inquérito para apurar irregularidades. Mesmo após pagar a taxa, motoristas não conseguiam marcar a vistoria. Neste ano, enquanto a Prefeitura não oficializava a nova taxa, a Controlar também impediu agendamento. Em outra ação, o MP investiga casos em que carros são reprovados e depois aprovados sem nenhuma alteração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.