'Era para eu chegar aqui às 8h, mas cheguei às 19h'

Passageiros viveram dia de caos; até o time da Ponte Preta, que viajaria anteontem à noite para o Rio, teve problemas

JOSÉ MARIA TOMAZELA , CAMPINAS , O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2012 | 03h07

Passageiros das empresas Azul, Trip, Gol e TAP viveram ontem um dia de caos no Aeroporto de Viracopos. O engenheiro químico Daniel Faleiros deveria ter embarcado às 8h23 no Rio, quando foi informado de que o voo até Campinas estava cancelado. A solução foi viajar em ônibus fretado pela empresa aérea. "Saímos às 12h e chegamos só agora", dizia, às 19h15 de ontem.

O médico pediatra Aluisio de Alencastro, que embarcou às 11 horas em Goiânia, conseguiu chegar a Campinas às 19 horas, depois de voar até Congonhas e fazer de ônibus o trajeto para o interior. Ele viajou para acompanhar o parto da filha.

Centenas de pessoas vagavam pelo aeroporto em busca de informações. O engenheiro Robson Gomes buscou o balcão da Infraero, mas não havia certeza de que os voos seriam retomados. "Preciso estar em Porto Alegre até as 2 horas da manhã, quando sai meu ônibus para o estaleiro do Rio Grande", disse. Ele viajaria com a irmã, também engenheira. "Só quero uma informação verdadeira, pois se não puder embarcar preciso encontrar outra solução", insistia.

Gabriel Calderon, chef de cozinha, teve o voo procedente de Porto Alegre remanejado para Ribeirão Preto. "Era para estar aqui às 8h da manhã, mas cheguei às 19 horas", disse. Com o contratempo, ele perdeu um evento que realizaria em Piracicaba. A pedagoga Eugênia Toledo seguiria para Porto Alegre no voo das 19h48, um dos que foram cancelados. O embarque foi remarcado para as 9h45 de hoje. Por telefone, ela falou com parentes em Campinas. "Vou passar a noite na casa de uma prima", disse.

Um grupo de Brasília se preparava para seguir de ônibus até o Aeroporto de Congonhas, na capital, com a esperança de embarcar em um voo da Gol às 21h30. De acordo com a técnica de Enfermagem Priscila de Paulo, eles estavam no interior de São Paulo desde quinta-feira. O grupo recusou proposta de pernoitar em Campinas. "Estamos exaustos, mas temos de trabalhar amanhã", disse Priscilla.

Até o time de futebol da Ponte Preta foi obrigado a remarcar seu voo para o Rio de Janeiro, onde enfrentou o Fluminense, para o início da tarde de ontem - o voo estava previsto para as 21h do sábado. A delegação seguiu para o Aeroporto de Congonhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.