Equipe do Gate pode ter se confundido com tiro, admite coronel

Eduardo José Félix comandou a operação durante o seqüestro e prestou depoimento na manhã desta quinta

Diego Zanchetta, de O Estado de S. Paulo,

23 de outubro de 2008 | 15h28

Pela primeira vez o comandante Eduardo José Félix admitiu que a equipe do Gate pode ter se confundido sobre o tiro ouvido antes da invasão no apartamento onde Eloá Cristina Pimentel e Nayara Rodrigues da Silva, ambas de 15 anos, eram mantidas reféns por Lindemberg Alves, de 22 anos. "Assim como a Nayara pode ter se confundido, a minha equipe também", afirmou o comandante, em entrevista coletiva após prestar depoimento de quase três horas no 6ºDP de Santo André. Segundo ele, os policiais podem ter confundido um barulho de rojão com o de um tiro.   "Se o tiro foi dentro, fora, um rojão, o laudo técnico vai dizer", afirmou o comandante, apontando que o laudo do Instituto de Criminalística (IC) vai esclarecer a ocasião do tiro. Apesar de ter afirmado que a equipe pode ter se confundido, o comandante reiterou que confia na equipe do Gate. Ao ser questionado se há problema em admitir que a equipe se confundiu em relação ao tiro, o comandante afirmou que "não tem problema, agimos dentro da legalidade."   Veja também: 'Não houve tiro antes da invasão', afirma Nayara à polícia Gate pode ser punido por ter negociado no caso Eloá Advogado de Nayara pedia indenização sem ser contratado Perguntas e respostas sobre o caso Eloá  Especial: 100 horas de tragédia no ABC   Mãe de Eloá diz que perdoa Lindemberg  Imagens da negociação com Lindemberg I  Imagens da negociação com Lindemberg II  Especialistas falam sobre o seqüestro no ABC Galeria de fotos com imagens do seqüestro  Todas as notícias sobre o caso Eloá           Segundo o comandante Félix, não se pode ficar no "achismo" em relação ao disparo e o que se tem de concreto até o momento são os depoimentos de cinco policiais e três testemunhas que afirmaram ter ouvido um tiro antes de o Gate invadir o apartamento.   O depoimento do tenente Paulo Sérgio Schiavo, responsável pela equipe que invadiu o apartamento, também estava marcado para a manhã desta quinta. No entanto, foi cancelado. Apesar do cancelamento, o delegado-titular do 6ºDP, Sérgio Luttvia, afirmou que o inquérito deve ser relatado na sexta-feira, 24, mesmo sem a polícia ter feito a reconstituição do crime. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.