Entrevista com o arquiteto Andreas Angelidakis

Andreas Angelidakis é arquiteto, artista digital, mestre em Ciências Avançadas em Design de Arquitetura pela Universidade da Columbia, nos Estados Unidos, foi arquiteto da Bienal de Artes de Atenas em 2007 e está projetando a de 2009. Ele faz parte do grupo de artistas NEEN, uma geração de artistas visuais para os quais a internet e programação visual são filosofia de vida. Seus trabalhos são em forma de pavilhões e outras construções virtuais, animações em computador e DVD, impressões em 3-D e estruturas virtuais como o Second Life. Suas obras já foram mostradas na Inmo Gallery, em Los Angeles; LOOP Festival; Hotel Amister, em Barcelona; MU Foundation Eindhoven, Holanda; 25ª Bienal de São Paulo e Bienal de Arquitetura de Veneza, em 2000. Confira abaixo a íntegra da conversa que o Estado teve com ele: Já esteve em São Paulo (quando)? Como definiria nosso design urbano?Sim, duas vezes antes, em 2003 e 2007. A cidade é simplesmente fantástica, mas não tenho certeza se por causa do design. Acho que como muitas grandes cidades, é parte design, parte acidente e parte milagre. Desde 2006, há uma lei em São Paulo que proíbe publicidade exterior. Em sua opinião, essa é uma boa solução para melhorar o aspecto visual da cidade?Outdoors podem ser divertidos e emocionantes, mas limpar também é interessante. Cada vez que você muda alguma coisa em uma cidade, muda suas características. Estou mais interessado em observar essas mudanças do que em encontrar a solução "correta". Essa mesma lei trouxe um efeito colateral: fachadas mal conservadas de prédios velhos ficaram à mostra, escancarando uma feia realidade. Em sua opinião, como isso pode ser solucionado?Isso é muito interessante. O mercado publicitário pode dar ao luxo de manter as "fachadas" publicitárias novas, mesmo que a real esteja envelhecendo. E se houvesse uma lei permitindo publicidade para empresas que renovem suas fachadas? Seria encontrado um equilíbrio com uma solução contemporânea.  Em uma cidade que restringe tanto a publicidade exterior, como as empresas deveriam agir para reforçar suas marcas?O que eu disse antes. É, talvez, ao mesmo tempo renovar parques e espaços públicos em geral, e discretamente anunciar esse fato. Se você fosse convidado para desenhar os pontos de ônibus de São Paulo, como seria o projeto? Quais seriam suas principais preocupações?Paradas de ônibus são interessantes, como todos os lugares onde você espera. A espera é um momento de ansiedade e de contemplação. Eu acho que eu iria incidir sobre estas duas qualidades, assim como a segurança. Muito se fala em sustentabilidade hoje em dia. Como mesclar projetos eficientes em termos de urbanismo com tecnologias verdes? Por que tais projetos ainda são tão mais caros?A sustentabilidade é uma forma de pensar, não é uma tecnologia. Claro, porque é popular agora, as companhias tentam aproveitar e nos fornecer novos produtos verdes! Talvez comprar menos e precisar menos seria uma solução mais sustentável.  São Paulo tem dezenas de parques - nem todos tão funcionais, nem todos bem conservados, nem todos muito usados. O que um parque precisa ter para conseguir atingir plenamente suas funções? Quais são essas funções? Novamente, o estudo é a primeira coisa necessária. Nem todos os parques são os mesmos, e nem todos os bairros ao redor de parques têm as mesmas necessidades. Mas os parques que tenho visto são simplesmente fantásticos. A vida vegetal no Brasil é espetacular.  Em sua opinião, qual é a maior beleza de São Paulo? E a coisa (ou lugar) mais feia?Eu adoro o SESC Pompéia e o Masp - dois prédios da arquiteta Lina Bo Bardi. Caminhar para cima e para baixo na Paulista é uma grande experiência urbana. A vista do alto do Edifício Itália é talvez a "coisa" ais bela. Não sei se posso dizer o que é feio. Suponho que a pobreza e a desigualdade social sejam feios, mas os brasileiros sempre conseguem sorrir, e você vê felicidade. Se pudesse escolher um projeto para fazer em São Paulo, qual seria?Um museu em um parque, ou perto da floresta. Há uma tradição tão grande a arte contemporânea e arte para edifícios e seria ótimo se aproximar desta grandeza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.