'Entrego o cargo, se for notificado', diz delegado-geral

O delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro, disse ontem que, caso seja notificado pelo Ministério Público Estadual (MPE) em uma ação de improbidade administrativa, entregará o cargo. "Trabalho honestamente e vivo do meu salário. Não tenho dinheiro para pagar advogado." Ele criticou o que chamou de "ditadura do Ministério Público", formada por "donos da verdade".

O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2012 | 02h06

O delegado-geral disse também ter explicado ao MP que já estava iniciando o processo de licitação. "Era um problema de décadas. Nós estamos resolvendo e somos processados?" E acrescentou que foram enviados ofícios aos promotores.

Pela licitação, três novas áreas seriam adquiridas para pátios e outra para leiloar os carros atuais. O delegado Carlos José Paschoal de Toledo, diretor do Departamento de Polícia Judiciária, explicou a demora. "Contrataremos vigilância, remoção, fotografia e registro dos carros. Isso não ocorre da noite para o dia." / BRUNO PAES MANSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.