Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Entrega do Rodoanel Leste é adiada para maio

Primeira parte, entre Mauá e a Rodovia Ayrton Senna, deveria ser inaugurada na segunda-feira; agência estadual vai multar empresa responsável

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

08 Março 2014 | 01h00

Nem mesmo a falta de chuva em pleno verão foi suficiente para recuperar o atraso nas obras do Trecho Leste do Rodoanel. Até a entrega parcial do trajeto entre o Trecho Sul, em Mauá, e a Rodovia Ayrton Senna, prevista para a próxima segunda-feira, foi adiada para maio pela concessionária SPMar, responsável pela construção. A inauguração do percurso completo, com os 43,8 km até a Rodovia Presidente Dutra, em Arujá, continua prevista apenas para o fim do semestre.

A Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), que fiscaliza as concessionárias de rodovias paulistas, informou que técnicos farão uma inspeção em todo o percurso do Trecho Leste para verificar o porcentual de obras atrasadas e calcular a multa que será aplicada à SPMar. Pelo contrato, o percurso deveria ser entregue completo na semana que vem, sob pena de multa diária de R$ 417 mil proporcional ao porcentual que ainda não foi executado.

Em fevereiro, a SPMar havia concluído cerca de 75% da obra, iniciada em março de 2011, quando a empresa assinou o contrato casado com a concessão por 35 anos do Trecho Sul, onde opera cobrando pedágio. O documento prevê um cronograma de metas que deveriam ser atingidas nos três anos de execução da obra do Trecho Leste. Segundo a Artesp, cerca de R$ 100 mil em multa foram aplicadas à SPMar por causa do atraso na apresentação de projetos e mais de 60 notificações foram emitidas.

Inacabado. Em novembro, o Estado revelou que o Trecho Leste estava atrasado e que já seria inaugurado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) incompleto, com apenas 35,8 km. Em sobrevoo feito por toda a extensão do percurso, a reportagem constatou que as partes mais problemáticas eram os 8 km entre as Rodovias Ayrton Senna e Dutra, em Arujá, e a passagem sob a linha férrea entre as cidades de Mauá e Ribeirão Pires, na região do ABC.

A SPMar afirmou que os dois pontos foram prejudicados com a demora nas autorizações para executar obra nos dois locais respectivamente pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e pela MRS Logística. O investimento total da concessionária na construção do Trecho Leste ultrapassa os R$ 3,2 bilhões.

"Considerando-se todas as atividades envolvidas, desde a obtenção das licenças ambientais até o desenvolvimento de projetos específicos de transposição de áreas alagadas e de interferências, como dutos por exemplo, o Trecho Leste terá sido concluído em tempo recorde: cerca de 40 meses e mais de mil metros construídos por mês, 40 % mais eficiente que outras obras de igual categoria", afirmou a SPMar.

Mais conteúdo sobre:
Rodoanel São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.