Entidades criticam internação compulsória de usuários de crack no Rio

A internação compulsória de jovens usuários de crack no Rio, que completou um mês na sexta-feira, foi questionada ontem por entidades de defesa dos direitos da criança e do adolescente. Os Conselhos Regionais de Psicologia (CRP) e Serviço Social até denunciaram agressões contra moradores de rua.

, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2011 | 00h00

A Secretaria Municipal de Assistência Social (Smas) negou as acusações e comemorou redução de 86% no número de crianças recolhidas.

Para o CRP, o Rio estaria, inclusive, retornando à política de manicômios, com crianças presas e sedadas. O abrigo Casa Viva, em Laranjeiras, na zona sul, apesar de ser modelo, é criticado por não ser acolhedor. A Smas diz que o local tem condições de garantir o direito à vida dos jovens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.