Engravatados especialistas em assaltar casas são presos na zona oeste de SP

Segundo a PM, os três homens possuem passagens pela polícia por porte de drogas, tráfico e roubo

Ricardo Valota, estadão.com.br,

17 de outubro de 2010 | 16h00

Três homens suspeitos de pertencer a uma quadrilha de engravatados especialistas em assaltos a residências nos bairros do Pacaembu, Perdizes e Alto de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, foram detidos, por volta das 11 horas deste  domingo, 17, quando abasteciam um Fiat Idea verde, roubado e clonado, num posto Shell localizado na Avenida Doutor Arnaldo com a Rua Catalão, no Sumaré, bairro vizinho.

Alertados por um morador de Pinheiros sobre um Idea que já havia passado várias vezes em sua rua, policiais militares da 2ª Companhia do 23º Batalhão, em patrulhamento, localizaram o carro suspeito dentro do posto. "Eles ainda tentaram fugir, mas o cerco  já havia sido feito e eles então resolveram se entregar", relatou o tenente Eduardo Tenucci. Segundo os policiais, o Fiat tem queixa de roubo ocorrido no último dia 7 em Taboão da Serra. Trajando terno e gravata e armados com dois revólveres calibre 38,  ambos com numeração raspada, os três criminosos, com idades entre 20 e 25 anos, foram encaminhados ao plantão do 23º Distrito Policial, de Perdizes.

"Cinco ou seis vítimas de assaltos na região foram chamadas pela delegacia e os três acabaram reconhecidos. Na semana passada, abordados um Honda Civic preto na Avenida Diógenes Ribeiro de Lima, no Alto de Pinheiros, e prendemos um dos quatro ocupantes  do carro. Ao que tudo indica, esses três foram os que escaparam naquela oportunidade. O carro, inclusive, também era roubado e clonado e todos estavam muito bem vestidos", acrescentou o tenente. Segundo ainda a PM, os três homens detidos possuem juntos  passagens pela polícia por porte de drogas, tráfico e roubo.

Tudo o que sabemos sobre:
EngravatadosQuadrilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.