Endereços estão na internet

Encontrar um bingo em funcionamento em São Paulo não é difícil. Para chegar a um deles, basta uma rápida pesquisa na internet para encontrar endereço, telefone e horário de funcionamento de várias casas na cidade. A instrução que acompanha cada anúncio é sempre ligar antes de ir, para garantir que a casa não foi fechada pela polícia depois que a informação foi divulgada na rede.

Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2010 | 00h00

Funcionários de bingos chegam a atender o telefone anunciando o nome e a atividade: "Bingo Santo Amaro, boa tarde", diz a atendente para quem liga no número divulgado referente à casa.

Os anúncios normalmente são colocados por usuários anônimos em blogs e sites que apoiavam o projeto de legalização das casas de bingo que tramitava na Câmara dos Deputados e foi vetado na terça-feira. A maioria das casas é conhecida pelos frequentadores, pois boa parte dos bingos já foi fechada no passado e voltou a reabrir. "É uma briga de gato e rato. Esse pessoal abre o bingo, nos mobilizamos para fechá-lo, mas eles acabam reabrindo outra vez", disse o promotor Tomás Busnardo Ramadan.

Segundo ele, o grande motivo por trás disso é a imensa quantidade de dinheiro que o negócio envolve. "Tem muito dinheiro por trás, inclusive empresas internacionais atuando", afirmou. Por isso, ele disse que comemorou a derrubada do projeto de legalização do jogo que tramitava no Congresso. "Essa decisão da Câmara foi recebida com muita alegria, pois vai ajudar a conter a ação do crime organizado que lucra com esses jogos", explicou.

Para a Associação Brasileira dos Bingos (Abrabin), o raciocínio é contrário. "O jogo hoje é uma prática feita pelas quadrilhas. Queríamos ter trazido empresários para tomar conta desse negócio", lamentou o presidente da entidade, Olavo Sales. Segundo ele, há pouquíssimos bingos operando com liminar em São Paulo e a maioria das casas de jogos em funcionamento é irregular. "Quem é que se alimenta, que gosta de coisas proibidas? É o crime organizado. Cada vez que se cria uma proibição, quem ocupa esse espaço é a contravenção", disse.

Nas mesas de jogo e nos blogs que divulgam os bingos abertos, a percepção é parecida. "Eles aumentaram o salário deles em 60%, mas não aprovam uma lei que beneficiaria muito trabalhador", disse uma senhora no Bingo Teotônio Vilela. Ela afirmou que frequenta o local diariamente e nunca conheceu alguém que teve problemas com o jogo. "Se o dinheiro é meu e eu quero jogar, qual é o problema?"

PARA LEMBRAR

Há casos em que o funcionamento de casas de bingo e outros jogos proibidos pela legislação acontece com a conivência de policiais e outras autoridades responsáveis pela fiscalização daquela área. O mais recente esquema do tipo desbaratado em São Paulo foi em agosto, quando a Corregedoria da Polícia Civil descobriu um "ciclo completo da propina": policiais militares não fiscalizavam, civis não investigavam e até peritos fraudavam laudos. Cinco acusados, entre eles uma delegada, foram presos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.