Laura Maia de Castro/Estadão
Laura Maia de Castro/Estadão

Encontro reúne iniciativas para transformar a cidade de São Paulo

Evento 'Cidades Emocionais' discute propostas para mostrar as emoções das cidades por meio de projetos, iniciativas, artigos, vídeos e sites

Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

27 Novembro 2013 | 22h49

Iniciativas que buscam a transformação das cidades por meio da ocupação e intervenção nos espaços públicos estão cada vez mais conectadas umas com as outras a fim de compartilhar as diferentes ações realizadas nas áreas urbanas. O diálogo entre os coletivos de cidades do Brasil e do mundo foi um dos objetivos do evento "Cidades Emocionais" realizado nesta quarta-feira, 27, no Sesc Bom Retiro,no centro de São Paulo.

"Podemos conhecer mais grupos que realizam esse tipo de ação para nos conectarmos", disse a argentina Yamila Alberdi, de 24 anos, de um coletivo em Buenos Aires que defende a ocupação do espaço público. É a primeira vez que ela vem ao Brasil e afirma que está impressionada com São Paulo. "Há muita intervenção artística de urbanismo aqui. Muitos grafites."

O debate realizado nesta quarta faz parte de um projeto que começou em Madri e Barcelona e agora, no Brasil, chega a São Paulo e Recife. Na internet, o site ciudadesemocionales.org é uma mistura de blog com redes sociais que cria comunidades de pessoas interessadas em mostrar as emoções das cidades por meio de projetos, iniciativas, artigos, vídeos e sites.

"A plataforma possibilita que as pessoas colaborem com o que emociona em suas cidades. Nos interessa transformar o presente e criar soluções concretas aos problemas diários", disse Gustavo Seraphim, da Base 7 Projetos Culturais, que organizou o debate em São Paulo.

Eram 10h30 quando os participantes de diferentes coletivos presentes saíram do Sesc para fazer um mapeamento de percepção e espaço nas ruas do bairro do Bom Retiro, no centro. Da Cracolândia até a Rua José Paulino, eles observaram e sentiram o que as peculiaridades das ruas despertavam."Foi muito bom o evento ser aqui. É um bairro muito cosmopolita e significativo para a história de São Paulo", disse Seraphim.

Na parte da tarde, a plateia acompanhou, na tela do auditório do Sesc, um hangout entre integrantes do projeto Cidades Emocionais de Madri, Barcelona, Recife e São Paulo. Eles dividiram, com o público, as experiências dos coletivos e as intervenções urbanas políticas e culturais promovidas em cada uma das cidades.

Também participaram do encontro outros coletivos como Ônibus Hacker, Baixo Centro,Smart citizens CC e Efêmero Concreto.Todos apresentaram o trabalho desenvolvido e debateram, entre outras questões, a ocupação dos espaços públicos por meio de intervenções artísticas. Foram apresentadas ações como o show do rapper Dexter na Cracolândia de São Paulo promovido pelo Efêmero Concreto e as oficinas de origami realizadas nas cidades do interior de Minas pelo Ônibus Hacker.

É comum entre as iniciativas o questionamento político e a horizontalidade, ou seja, não há lideranças. Além disso, muitos projetos são viabilizados pelo uso de financiamento colaborativo por meio de plataformas da internet que possibilitam a doação por parte de internautas que apoiam a iniciativa.

"O Ônibus Hacker reúne pessoas que estão insatisfeitas com a política, com a gestão dos recursos destinados a cultura etc.," disse Pedro Belasco, um dos participantes do coletivo.

O ônibus, cuja compra foi possibilitada pelo financiamento coletivo de R$ 54 mil, funciona como um laboratório sobre quatro rodas que viaja as cidades realizando intervenções que vão desde workshop de dados abertos a oficinas de histórias em quadrinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.