A2img / Eduardo Saraiva
A2img / Eduardo Saraiva

EMTU investiga possível fraude em contrato do VLT da Baixada

Empresa sul-coreana alega ter sido usada por uma parceira brasileira para assinar negócio de R$ 35,5 milhões

Bruno Ribeiro e Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

07 de outubro de 2016 | 03h00

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) investiga uma possível fraude em um contrato da construção do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) da Baixada Santista. Uma empresa sul-coreana alega ter sido usada por uma parceira brasileira para assinar um negócio de R$ 35,5 milhões com a estatal controlada pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) para a instalação de portas nas plataforma das estações do VLT. 

O contrato, de 13 meses, foi assinado em julho do ano passado com o consórcio formado pela sul-coreana Bosung e pela brasileira Arquitrave, cujos donos também são sul-coreanos. Elas haviam ficado em segundo lugar na licitação realizada pela EMTU em novembro de 2014, mas acabaram assumindo o contrato do VLT porque o primeiro colocado no certame foi desclassificado no início de 2015.

Em julho deste ano, contudo, a Bosung enviou uma carta à EMTU, assinada pelo vice-presidente da empresa, Seung Pyo Hong, dizendo que após saber da derrota na licitação, em 2014, “o projeto foi esquecido” pela empresa e Hong voltou para a Coreia.

Segundo a carta, a qual o Estado teve acesso, em fevereiro de 2015 o empresário sul-coreano recebeu um telefonema dizendo que “de alguma maneira, passara a ser o vencedor do processo”. Assim, ele voltou ao Brasil e a Arquitrave o teria feito “assinar diversas páginas em branco e em português sem muita explicação”.

No fim do ano, Hong “soube que uma procuração e o contrato de consórcio foram utilizados pela Arquitrave para celebrar o contrato com a EMTU, datado de 16 de junho de 2015”, sem sua ciência. Assim que recebeu a denúncia pela carta de Hong, a EMTU suspendeu “imediatamente” os pagamentos do contrato que eram feitos à Arquitrave e chamou as empresas para uma reunião, mas só representantes da empresa brasileira apareceram.

A Bosung é a responsável pela instalação dos equipamentos, enquanto a Arquitrave faria o gerenciamento da obra. Mas a brasileira teria executado a obra, subcontratando outra empresa. E começou a receber.

O empresário sul-coreano afirma que, “se a situação não for sanada dentro de um período de tempo razoável”, ele não terá “outra escolha senão considerar os contratos nulos”. Na correspondência, a empresa alega o receio de eventualmente ser responsabilizada por algo que não tenha participado.

O Estado procurou por dois dia a Arquitrave, sem sucesso. Os telefones da empresa nos sites de busca não atendem. O endereço em que a empresa está cadastrada na Junta Comercial é de um imóvel vazio. 

Em nota, a EMTU afirma que o contrato foi assinado porque todos os documentos exigidos foram apresentados. “Apesar dos produtos estarem sendo entregues dentro do cronograma, os pagamentos foram suspensos até que a EMTU conclua a veracidade das informações.”

Futuro. Para José Américo Lombardi, vice-presidente da Comissão de Licitações e Contratos da Ordem dos Advogados do Brasil, seção São Paulo (OAB-SP), é preciso apurar se houve falha da EMTU no processo de homologação ou se o problema envolve apenas as empresas privadas. “Se houve vício no procedimento interno da EMTU o contrato pode ser anulado. Caso contrário, as empresas resolverão isso na Justiça, sem prejuízo ao contrato.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.