Empresas sob suspeita de fraudar pregão têm contrato atual

Elas continuarão atuando por até 180 dias - prazo máximo do contrato emergencial. Procuradas, empresas não se manifestaram

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

06 Agosto 2014 | 20h49

SÃO PAULO - As mesmas empresas que ganharam o pregão anulado pela Prefeitura de São Paulo, após denúncia do Estado, prestam serviço atualmente na Secretaria Municipal de Educação (SME) e vão continuar atuando por até 180 dias - prazo máximo do contrato emergencial. A licitação cancelada nesta terça-feira, 5, substituiria outra, de 2008. Os vencedores daquele ano são os envolvidos na denúncia: Monte Azul, Alternativa, Comatic, Cor Line, Demax, EPS , G4S, Gocil, Guima, Califórnia, Paineiras, Qualitécnica, TB, Tejofran e Whiteness. 

Apesar de ser executada em 2008 e ter validade até 2009, a licitação foi prorrogada até 2014. Os contratos estabelecidos com essas empresas começarão a expirar na segunda-feira. A SME informou que um pregão para serviço de “natureza continuada”, como é o caso da limpeza e conservação de unidades escolares e Centros Educacionais Unificados (CEUs), tem a validade de 12 meses, pode ser prorrogado por mais 60 meses e, “em casos excepcionais”, por mais 12 meses. 

O diretor da Coordenadoria-geral dos Núcleos de Ação Educativa (Conae) da SME, Pedro Benedetti, confirmou que a contratação emergencial de empresas, que começa a partir da próxima sexta-feira, 15, será feita com as mesmas 15 empresas. “A ideia é continuar com elas emergencialmente.”

As empresas foram novamente procuradas pelo Estado, por telefone e por e-mail, mas, até a noite desta quarta-feira, 6, nenhuma havia respondido.

Mais conteúdo sobre:
Pregão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.