Gabriela Biló
Gabriela Biló

Empresas se tornam parceiras e impulsionam força de blocos

Recusando o rótulo de produtoras, elas se envolvem desde a parte burocrática até a concepção dos desfiles

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2018 | 03h00

Duas empresas são responsáveis pelos desfiles de alguns dos maiores blocos de rua do carnaval de São Paulo. Uma delas é a Oficina da Alegria, de 2011, que tem parcerias com os blocos Sargento Pimenta e Bangalafumenga, do Rio; a outra é Pipoca, de 2014, responsável pelo Monobloco, Frevo Mulher (lançado neste carnaval, da cantora Elba Ramalho) e o Bicho Maluco Beleza (do cantor Alceu Valença). 

Em comum, as duas empresas recusam o rótulo de produtoras, preferindo termos como “parceria” e “sociedade”, pois seus trabalhos envolvem partes burocráticas e de logística, mas também incluem participação na concepção dos desfiles, por exemplo. Apesar de terem lucro, que não é divulgado, têm um perfil ideológico que interpreta o carnaval como um movimento social e artístico.

Além de desfiles, a Oficina da Alegria realiza apresentações em locais fechados – como casas de shows e até um minicarnaval em um estacionamento de shopping – e também promove as oficinas do bloco carioca Bangalafumenga em São Paulo. Como comparação, a sócia-fundadora Flavia Carvalho Doria, de 43 anos, conta que as oficinas começaram em setembro de 2011, com 60 alunos. Hoje, a mais recente tem duas turmas, que começaram em abril, com 250 participantes ao todo. 

A formação de músicos em São Paulo permitiu que os novos “mestres” paulistanos se tornassem professores – antes, os professores saíam periodicamente do Rio para as aulas. Semanais, elas custam R$ 300 por mês. “A gente se orgulha muito de ter começado isso. Muitos blocos se multiplicaram depois da nossa oficina”, conta Flavia.

Foco na rua. Saído da Oficina da Alegria, Rogério Oliveira, de 42 anos, participou da criação da Pipoca em 2014, da qual é um dos sócios-fundadores. Para ele, o envolvimento com carnaval começou há cerca de dez anos, quando começou a frequentar a oficina carioca do Bangalafumenga. Na Pipoca, realiza eventos focados exclusivamente na rua, sendo neste ano responsável pela coprodução do Acadêmicos do Baixo Augusta, que desfila hoje.

Neste ano, também é responsável pela estreia do Frevo Mulher, de Elba Ramalho, que desfilaria ontem. “A gente não sai correndo atrás para crescer. O início é como se fosse de um bloco pequeno, mas que acaba tendo grandes proporções por que tem nomes fortes envolvidos. Alguns blocos a gente procura, outros acabam nos procurando.”

Neste cenário, o Pipoca dá apoio a blocos menores na busca por patrocínio e serviços, como o Amigos da Vila Mariana e o Ritaleena, dentre outros mais de 30, somando Rio e São Paulo. Além disso, realiza as oficinas do Monobloco em São Paulo desde 2015. “É importante essa formação, de mostrar que pessoas que não são da música também podem participar do carnaval.”

Mais conteúdo sobre:
carnaval bloco de carnaval

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.