Werther Santana/ Estadão
Werther Santana/ Estadão

Empresas estudam pedir escolta policial para abastecer ônibus em SP

Viações retiraram veículos da circulação durante a tarde desta quinta-feira para garantir operação no horário de pico no do fim do dia; operação na sexta está comprometida

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

24 Maio 2018 | 13h22

SÃO PAULO - As empresas que representam as empresas de ônibus de São Paulo e a Secretaria Municipal de Segurança Urbana estudam alternativas para garantir o abastecimento dos coletivos que operam no transporte público da cidade. Uma das opções é levar os caminhões diretamente para os centros de distribuição de combusível e abastecê-los, sob escolta policial. Na manhã desta quinta, 10% da frota, de cerca de 14,5 mil ônibus, não circulou.

+ Com risco de paralisação de serviços e transportes em SP, Prefeitura vai à Justiça

O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbanuss), que representa 14 das 28 empresas da cidade (não inclui as lotações) afirmou que, durante a manhã desta quinta, 24, os coletivos operaram próximo da capacidade regular. No caso das lotações, algumas das empresas chegaram a abastecer os veículos em postos comuns. Na quarta, a Prefeitura havia autorizado as empresas a reduzir em até 40% a operação da frota. 

+ Greve de caminhoneiros chega ao 4º dia; acompanhe

"As empresas concessionárias continuam buscando alternativas de abastecimento de óleo diesel para manter a operação nesta sexta-feira, dia 25, mesmo que parcialmente, atendendo, principalmente, os horários de maior demanda de passageiros", informou o SPUrbanuss, em nota.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.