Empresário recebe voz de prisão após reagir e matar ladrão

Ele tem permissão apenas para carregar arma e só não foi preso porque precisou passar por cirurgia

Luiz Alexandre Souza Ventura, ESPECIAL PARA O ESTADO

23 Fevereiro 2015 | 21h38

SANTOS  - Após reagir a um assalto, ser baleado e matar um assaltante, um empresário recebeu voz de prisão, em flagrante, por porte ilegal de arma. Ele só não ficou preso porque conseguiu um habeas corpus. O caso aconteceu no sábado, em Cubatão, no litoral sul de São Paulo.

Além do empresário, a mulher dele também recebeu voz de prisão e chegou a ficar algumas horas detida na Cadeia Feminina de Santos. O pedido de habeas corpus para o casal foi encaminhado à Justiça de Cubatão no domingo, por um advogado contratado pela família, com solicitação de relaxamento do pedido de prisão e atualização do caso para legítima defesa. A informação foi confirmada por parentes das vítimas.

O empresário, que é dono de uma loja de informática, colecionador de armas e integrante de um clube de tiro, estava com a mulher quando foi abordado por cinco criminosos ao chegar, de carro, à casa de parentes, na Rua José Teixeira, no Parque São Luís, em Cubatão. 

De acordo com a polícia, o empresário tem permissão para transportar, sem munição, a pistola calibre .40 que usou contra os assaltantes, mas não autorização para porte e uso.

A pistola estava carregada no momento da abordagem e o comerciante trocou tiros com os bandidos. Um dos assaltantes foi baleado e morreu.

O carro do empresário foi alvejado nove vezes. O comerciante acabou atingido de raspão na cabeça e também foi baleado na perna. Encaminhado para o Pronto-Socorro de Cubatão, foi submetido a uma cirurgia para retirada da bala e levado para outro hospital da região, onde permanece internado, sem risco de morrer.

Segurança. A polícia reforçou nesta segunda-feira a segurança na região da Via Anchieta, após protestos contra a morte de um suposto bandido em operação da PM no sábado. Manifestantes chegaram a queimar ônibus.

Mais conteúdo sobre:
Cubatão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.