Empresário que bateu Porsche em 5 carros e feriu motociclista é solto

Cláudio Lysias Spina, de 45 anos, dirigia em alta velocidade e na contramão na Mooca; motociclista está em estado grave

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

21 Abril 2015 | 18h48

O empresário Cláudio Lysias Spina, de 45 anos, que bateu com o Porsche Cayenne em cinco veículos e feriu gravemente um motociclista na noite desta sexta-feira, 17, na Mooca, foi liberado após a Justiça conceder alvará de soltura no domingo, 19. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) não informou se Spina pagou fiança, se a Justiça lhe concedeu a liberdade provisória ou se o magistrado relaxou o flagrante do acusado.

Spina foi preso em flagrante e a ocorrência foi registrada no 56º Distrito Policial (DP), na Vila Alpina. De lá, o motorista seguiu para a carceragem do 31º Distrito Policial (Carrão), onde ficou detido. Spina não chegou a ser encaminhado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) do Belém, como a Polícia Civil havia previsto no sábado.

O motorista do Porsche dirigia em alta velocidade e na contramão pela Rua Celso de Azevedo Marques por volta das 20h30 de sexta-feira, quando colidiu em um Corolla preto dirigido por um corretor de seguros de 64 anos. Spina bateu, em seguida, em uma motocicleta pilotada por um gerente de 20 anos. Com o impacto, o jovem foi arremessado contra um Uno de cor prata, conduzido por um motorista de 36 anos. O empresário fugiu do local sem prestar socorro à vítima, que foi levada para o Hospital de Heliópolis, onde continua internada em estado grave. A polícia não divulgou o nome do motociclista. 

Depois, Spina bateu ainda em um EcoSport estacionado, que, com a força do choque, acabou colidindo contra um Celta, também parado. O motorista do Porsche desceu do automóvel e continuou a fuga a pé, sendo parado por algumas pessoas em uma rua próxima. À polícia, o empresário disse que socorria seu primo, um administrador de 40 anos, que estava no veículo e passava mal. Spina contou que bateu no primeiro veículo e na moto ao tentar desviar de um carro, que o forçou a jogar o Porsche na contramão. 

O empresário afirmou não ter prestado socorro à vítima porque temia ser agredido pelas pessoas que estavam no local. O motorista do Porsche foi submetido ao teste do bafômetro, que teve resultado negativo. Embora não tivesse sinais de embriaguez, a Polícia Civil informou ter solicitado, "por cautela", o seu encaminhamento ao Instituto Médico-Legal (IML) para exame adicional. A polícia pediu ainda a perícia local. 

O caso foi registrado como lesão corporal culposa na direção de veículo automotor, colisão, omissão de socorro, fuga de local de acidente, direção perigosa de veículo na via pública e perigo para a vida ou saúde de outrem. O veículo foi liberado para a família.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.