Empresário é achado morto e com saco na cabeça em hotel de SP

Corpo também tinha mãos amarradas e, ao lado, havia uma cartela de comprimidos; Polícia Civil trabalha com hipótese de suicídio

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

05 Maio 2015 | 18h53

Atualizada às 23h02

O empresário do ramo de cinema Cássio Yazbek, de 46 anos, foi encontrado morto na tarde desta terça-feira, 5, em um quarto do Hotel Grand Plaza, no Paraíso, zona sul da capital paulista. Ele estava com as mãos algemadas e com um saco plástico na cabeça. Yazbek morreu por asfixia.

Segundo informações obtidas pela polícia, Yazbek era morador dos Jardins, nas proximidades do hotel, e chegou ao local sozinho, por volta das 15 horas desta terça. Dali em diante, não saiu do quarto, não pediu serviço e não fez telefonemas. O seu corpo foi encontrado quando um funcionário entrou para limpar o local.

Yazbek não apresentava sinais de agressão e suas mãos estavam presas em uma algema de plástico, cuja chave foi encontrada no próprio quarto, de acordo com a polícia. Uma cartela de comprimidos estava ao lado do homem. O irmão dele havia registrado, na manhã desta terça, um boletim de ocorrência de desaparecimento.

Quando atendeu à ocorrência, a PM informou que, “aparentemente”, o caso se tratava de homicídio. Por causa das novas informações, a Polícia Civil também trabalha com a hipótese de suicídio. O caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

À noite, um amigo de Yazbek foi ao 78.º DP (Jardins), onde inicialmente o caso foi registrado, mas não quis falar com a imprensa. O Hotel Grand Plaza informou, em nota, que lamenta o ocorrido e está à disposição das autoridades.
Yazbek atuou como gerente de finanças de Não Pare na Pista, cinebiografia do escritor Paulo Coelho, lançada em 2014
 O longa foi a estreia dele nessa área, afirmou o diretor do filme, Daniel Augusto. “Conhecia o Cássio, mas não tive uma relação muito intensa com ele. Nos falamos algumas vezes. Fiquei chocado com a notícia”, afirmou o diretor. / COLABOROU JOÃO PAULO CARVALHO

Mais conteúdo sobre:
Paraísomorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.