Empresário diz que sofreu calote e culpa Prefeitura por problemas

Dificuldades teriam surgido após falta de pagamento da Secretaria do Verde; governo não se manifestou

/ D.Z. e R.B., O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2011 | 03h06

O dono da GSV Segurança e Vigilância Ltda, Antônio Eduardo Viana Carneiro, atribui os problemas financeiros da empresa a um suposto "calote" da Prefeitura. "A Secretaria (Municipal do Verde e do Meio Ambiente) vem atrasando nossos pagamentos desde dezembro do ano passado. Tivemos de pegar empréstimo para nos manter, a juros altíssimos", afirma.

Carneiro diz que está há pelo menos três meses sem receber - julho, agosto e setembro. Por causa disso, ele argumenta que se criou um problema sem-fim - a empresa fica sem recursos para pagar funcionários, que começam a faltar, e depois é multada pela Prefeitura. "Cada multa representa 2,5% do valor de todo o contrato, o que é muito. Tenho cerca de R$ 2 milhões a receber da Prefeitura, mas eles já me aplicaram R$ 2,4 milhões em multas. Ou seja, eu estou trabalhando, mas tem três meses que não me pagam e agora sou eu que estou devendo a eles", reclama.

Guerra. O proprietário da empresa de segurança afirma que a Prefeitura é a culpada pelo processo de recuperação judicial pelo qual passa a empresa - o valor da ação que tramita no Tribunal de Justiça é de R$ 50 milhões. Ele promete abrir uma "guerra jurídica" caso não receba tudo o que diz ter direito. "Cerca de 70% do nosso faturamento vêm da Prefeitura de São Paulo", diz. A empresa presta serviços para outros órgãos da administração e, segundo o site oficial De Olho nas Contas, recebeu R$ 114 milhões da Prefeitura desde 2009.

Agora, a GSV está tendo de impugnar todos os novos editais para os serviços de segurança lançados pela Prefeitura. O argumento é que está sendo vedada a participação de empresas em recuperação judicial. "Como é que eu vou me recuperar se não me deixam trabalhar?", pergunta.

Questionada sobre as acusações do empresário, a Prefeitura decidiu não se manifestar sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.