Empresário diz que quer 'devolver um pouco para a cidade' que lhe deu tanto

Assim como Marcos Cruz, o empresário Wilson Poit, de 54 anos, também trocou a iniciativa privada pela Prefeitura. Ele será o responsável por fazer vingar a São Paulo Negócios. Para ele, as Parcerias Público-Privadas (PPPs) são o grande trunfo do órgão. "Uma das grandes sacadas é deixar sob o mesmo guarda-chuva PPPs, concessões e investidores. Em outras cidades, normalmente é separado."

O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2013 | 02h04

O empresário é fundador da Poit Energia, que lidera o mercado no Brasil e foi comprada recentemente pela líder mundial no segmento, Aggreko. Ele afirma que a motivação para assumir o posto é "devolver um pouco para a cidade" que lhe deu tanto.

A experiência do outro lado do balcão é a aposta dele para trazer investidores para São Paulo. "Eu senti muito na pele as dificuldades que o empreendedor tem ao chegar a um país novo, a uma cidade nova, encontrar desde um lugar para os primeiros contatos até como recrutar gente, qual a melhor região da cidade, como agilizar certas coisas."

A equipe da empresa será mesclada entre os funcionários da São Paulo Participações (SPP), mais gente vinda da iniciativa privada. A empresa pública tem como objetivo caçar grandes empresas do mundo. Para isso, a SP Negócios terá estandes em feiras em outros continentes.

Rio. Atualmente, a única cidade brasileira que tem uma empresa parecida é o Rio, com a Rio Negócios. O governo estadual de São Paulo também tem a sua, a São Paulo Investe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.