Empresário desaparece após sair de aeroporto para comprar remédio

Segundo a Polícia Civil, Luiz Sérgio Dias Zignatti carregava uma bolsa com cerca de R$ 4 mil e embarcaria para Brasília

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

24 Julho 2014 | 19h12

SÃO PAULO - A Polícia Civil investiga o desaparecimento do empresário Luiz Sérgio Dias Zignatti, de 55 anos, que após entrar no Aeroporto de Congonhas, na zona sul, na última segunda-feira, dia 21, e sair do local para comprar remédios, não foi mais visto. 

Segundo o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, diretor da Delegacia Especializada em Atendimento ao Turista (Deatur), Zignatti entrou com o carro no aeroporto às 16h42, estacionou e foi em direção ao saguão do aeroporto. Imagens de câmeras de segurança mostram o empresário caminhando pelo local. O delegado afirmou que o desaparecido carregava uma bolsa com cerca de R$ 4 mil e iria embarcar para Brasília (DF) às 20h.

"Ele entrou no aeroporto, ligou para a família e disse que estava com dor de cabeça. Ele nunca deixou de telefonar para os familiares para informar onde estava", explicou o delegado. As imagens mostram Zignatti caminhando nos pontos de táxi no subsolo, na área de desembarque do aeroporto. Ele vai até uma farmácia, não encontra o remédio e às 17h20 sobe uma escada rolante que dá acesso ao piso térreo e vai em direção à saída.

Ainda segundo o delegado, o empresário atravessou uma passarela sobre a Avenida Washington Luiz e não é mais visto dentro de Congonhas. Mas às 19h07 ele conversa com um funcionário por telefone e diz que estava na fila do check-in do aeroporto. De acordo com a polícia, a ligação consta no celular da testemunha. No entanto, Gonçalves afirmou que ele não é filmado por câmeras do check-in e também não embarcou no voo para Brasília. A polícia acredita que ele desapareceu do lado de fora. 

Na noite desta quinta-feira, dia 24, a Polícia Civil conseguiu autorização da Justiça para quebrar o sigilo telefônico e bancário do empresário. Os policiais também coletaram provas dentro do carro de Vignatti, que está no nome da secretária dela. Apesar do caso estar sendo investigado como desaparecimento, existe a possibilidade de que ele tenha sido sequestrado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.