Empresário arremata sucata da Vasp por R$ 133 mil

Um empresário de Araraquara, no interior de São Paulo, arrematou por R$ 133 mil um avião-sucata da Vasp, leiloado ontem na capital. Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, o novo dono - cujo nome não foi revelado - vai expor o avião em um parque de diversões da cidade.

O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2012 | 03h05

O avião não tem condições de voar, mas está inteiro. Outras quatro aeronaves em estado de conservação inferior foram desmontadas e vendidas ontem como sucatas de alumínio em quatro montantes: um por R$ 36 mil, outro por R$ 42 mil e dois por R$ 40 mil. Inicialmente, o avião inteiro estava avaliado em R$ 100 mil; os montantes, em R$ 30 mil cada um.

Ao todo, foram arrecadados R$ 291 mil, e o dinheiro será usado para o pagamento de dívidas da empresa, prioritariamente as trabalhistas. A 1.ª Vara de Falências do Tribunal de Justiça de São Paulo cuida do caso da Vasp.

O leilão faz parte do programa Espaço Livre, uma força-tarefa liderada pelo Conselho Nacional de Justiça para liberar terreno nos aeroportos do País - só em Congonhas, nove aviões-sucata ocupam um pátio de 170 mil metros quadrados, que deve ser liberado totalmente em seis meses, à medida que outros leilões forem realizados.

A aeronave leiloada hoje é um Boeing 737-200. "Alguns museus tentaram arrematar, mas não conseguiram cobrir a oferta de R$ 133 mil feita por um particular", disse o presidente do programa Espaço Livre, o juiz auxiliar do CNJ Marlos Melek.

A partir de março, serão desmontadas sucatas nos aeroportos de Viracopos, Brasília, Cumbica, Manaus e Salvador. O CNJ informou que há outras 22 aeronaves da Vasp a serem leiloadas - uma delas é um dos primeiros Boeings a voar no País.

Cerca de 80 mil peças usadas na manutenção de Boeings e Airbus, que pertenciam ao antigo parque de peças da Vasp, também serão vendidas ao longo deste mês. Entre o material, turbinas, pneus, mesas de refeição, peças de freios e motor. / N.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.