Empresa vai avaliar risco da antiga área da Vasp

Planterra terá 455 dias para investigar contaminação do terreno de 170 mil m2; há 69 t de resíduos tóxicos

O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2012 | 02h06

A Infraero contratou a empresa Planterra Análises, Meio Ambientes e Serviços para investigar a contaminação do solo da antiga área da Vasp, anexa a Congonhas. A contratação saiu no Diário Oficial da União de sexta-feira.

Em agosto, o Estado revelou que o terreno de mais de 170 mil m² está contaminado por pelo menos 69 toneladas de resíduos tóxicos, entre combustível, solvente e metais pesados.

À época, a estatal lançou um edital para contratar uma empresa qualificada para fazer um diagnóstico da área. A Planterra terá 455 dias para a "elaboração dos estudos de investigação confirmatória, detalhada e avaliação de risco" do terreno. O contrato é de R$ 150.800,00.

O interesse da Infraero é usar o terreno para desafogar o aeroporto e criar mais área de pátio para os aviões estacionarem. Não pôde fazê-lo até hoje porque, além da contaminação, a área era repleta de bens da massa falida da Vasp. Entre eles, aviões-sucata e objetos guardados em salas administrativas. Os objetos, porém, estão sendo leiloados e as aeronaves, retiradas ou desmontadas.

Para se ter uma ideia, todo o terminal de passageiros de Congonhas tem apenas 51 mil m²; o pátio de aeronaves, 77 mil m² e somente 23 posições de estacionamento de aviões. A área da Vasp resolveria um grande gargalo do aeroporto. Mas, na melhor das hipóteses, o local só poderá ser usado a partir de 2015. / N.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.