Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Emoji, presente do Japão

Faz um mês que passei a me interessar pelos Emoji, aquelas carinhas sorridentes e outras figurinhas que podem ser adicionadas às mensagens eletrônicas. Emoji são parte pictograma, parte ideograma. São pictogramas porque muitas vezes representam literalmente um objeto, como um telefone ou uma banana. São ideogramas porque também expressam ideias ou sentimentos, como alegria, raiva ou amor. Nos EUA, uma berinjela seguida por um pêssego tem um significado sexual explícito, talvez similar ao atribuído a uma banana seguida por uma aranha por aqui.

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2015 | 02h01

A palavra Emoji vem do japonês e combina a palavra figura (e) com a palavra caractere (moji).

Imaginei que esse interesse fosse uma volta à infância, mas me consolei quando, nesta semana, o presidente Obama reconheceu o Emoji como uma das recentes contribuições do Japão à cultura americana. No vídeo me pareceu que o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, sorriu embaraçado.

Foi então que me lembrei de uma conversa que tive em Tóquio, em 1983. Eu era um estudante de pós-graduação e tinha ido trabalhar no laboratório do eminente Setsuro Ebashi. Uma das conversas foi sobre a razão de a ciência japonesa não ser tão boa quanto a inglesa. O argumento de Ebashi era de que os jovens japoneses estavam em desvantagem porque dedicavam anos de suas vidas memorizando e aprendendo a usar os milhares de ideogramas da língua japonesa. Já os ocidentais, dominando vinte e poucas letras (fonogramas), já podiam ler e escrever livremente. Segundo Ebashi, só quando o ensino de ideogramas fosse abolido no Japão a ciência japonesa iria progredir.

No dicionário clássico produzido por Káng Hsi Kangxi (que morreu em 1722) estão compilados quase 50 mil ideogramas. Desses, 2 mil precisam ser memorizados se você quiser se considerar educado. O governo japonês considera obrigatório o ensino de 1.850 - 881 devem ser memorizados nos seis anos do ensino elementar. Era disso que Ebashi reclamava.

Foi para esses jovens que, em 1999, Shigetaka Kurita, da operadora de telefones celulares japonesa NTT-DoCoMo, criou os primeiros 172 Emoji. O objetivo era incentivar o uso de mensagens de texto. E a moda pegou.

Mas logo surgiu um problema: como garantir que um Emoji enviado de um celular pudesse ser lido em outro? Um coração enviado de um celular DoCoMo era incompreensível para um aparelho vendido nos EUA. Era preciso padronizar. E para isso entrou em campo o sistema Unicode, que desde 1987 define um padrão para a transmissão de letras e símbolos. O sistema Unicode é uma enorme tabela que permite que todas as formas eletrônicas de comunicação transformem uma letra ou um símbolo em um código único.

A última versão da tabela Unicode contém 110 mil símbolos, entre eles os ideogramas japoneses e chineses e 1.282 Emoji. A bandeira do Brasil tem o número 928 e o código U+1F1E7. Assim, qualquer texto contendo esse Unicode vai mostrar a bandeira brasileira. Mas, da mesma maneira que um R vai ser representado de diferentes maneiras em diferentes equipamentos, um dispositivo Apple vai mostrar a bandeira brasileira de forma diferente da mostrada por um dispositivo Androide ou Microsoft (veja o link abaixo).

O interessante é que os Emoji foram criados para serem usados por pessoas habituadas a escrever e ler ideogramas. Dizem os especialistas que o grau de síntese, sutileza e ambiguidade é muito maior nas línguas que usam ideogramas. Observando o uso dos Emoji me parece que parte dessa sutileza e ambiguidade foi capturada pelos usuários ocidentais e, portanto, pessoas que foram educadas no uso de símbolos associados a sons (fonogramas) agora têm a possibilidade de experimentar o uso de ideogramas para se comunicar.

Mas na minha mente paranoica ficou uma dúvida. Será que os Emoji são um presente dos japoneses ou seriam eles parte de uma estratégia para igualar a ciência japonesa à ocidental? Se nossos jovens forem obrigados a decorar milhares de Emoji durante o ensino primário, o que Ebashi imaginava como o problema da educação japonesa vai se espalhar pelo mundo ocidental. Nesse caso, o sorriso de Shinzo Abe pode ter outro significado.

É BIÓLOGO

MAIS INFORMAÇÕES: TODOS OS EMOJI LISTADOS NO UNICODE PODEM SER VISTOS AQUI: http://www.unicode.org/Public/emoji/1.0/full-emoji-list.html

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.