Em uma semana, quatro acidentes aéreos em São Paulo

Pelo menos oito pessoas morreram com a queda de três helicópteros e um jato executivo

04 de novembro de 2007 | 16h04

A queda do jato executivo Learjet 35 na tarde deste domingo, 4, foi o quarto acidente aéreo em uma semana em São Paulo. Na quinta-feira, 1º, três helicópteros caíram no Estado e deixaram pelo menos três mortos. Até às 15h30 deste domingo, a Polícia Militar tinha confirmado quatro mortes no acidente, depois que o avião decolou do Campo de Marte, na zona norte da capital paulista, e caiu sobre uma casa no bairro da Casa Verde.      Veja também: Jatinho cai na zona norte de SP e deixa 8 mortos  Vítimas em terra eram todas da mesma família Vídeo do local do acidente  Vídeo das casas atingidas pelo jato  Vídeo do resgate no local do acidente  Veja como foi o acidente com o Learjet 35  Galeria de  fotos   Morador flagra queda de jato e filma resgate Jornalista testemunha queda de avião   Acidentes aéreos em regiões urbanas têm deixado um saldo trágico no País. Rodeado por casas e avenidas, o Campo de Marte é usado para pousos e decolagens de aviões de pequeno porte e foi uma das opções para desafogar o tráfego aéreo de táxis executivos do Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista. A medida foi tomada depois do acidente da TAM, em 17 de julho deste ano, que deixou 199 mortos.   No dia 31 de outubro de 1996, um Fokker 100 da TAM caiu minutos após decolar do Aeroporto de Congonhas. O acidente deixou 99 mortos no bairro do Jabaquara, na zona sul, a cerca de 2 km do aeroporto.   Acidentes na zona norte normalmente estão relacionados a aviões saídos do Campo de Marte. No dia 15 de outubro de 1997, um avião monomotor prefixo PP-GPW, modelo Aeroboero, que havia decolado do Campo de Marte caiu na Marginal do Tietê.   O acidente aconteceu a 100 metros da Ponte da Casa Verde, e não deixou feridos graves; o avião ficou totalmente destruído. O Aeroboero, de fabricação argentina, sobrevoou as imediações da Avenida Brás Leme e contornou a Ponte da Casa Verde, como se tentasse voltar ao Aeroclube, onde começou a perder altitude.   Dois anos antes, um monomotor Cessna espatifou-se na Avenida Santos Dumont, logo após a decolagem do Campo de Marte. A explosão aconteceu no dia 34 de novembro de 1995 e seis ocupantes morreram. Segundo testemunhas, o Cessna perdeu o trem de pouso ao levantar vôo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.