Em um mês, ruas começam a ganhar relógios

Os novos abrigos de ônibus e relógios de rua devem começar a ser instalados em um mês na cidade de São Paulo. O contrato com os dois consórcios vencedores da concorrência do novo mobiliário urbano da cidade foi assinado ontem.

O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2012 | 02h05

As empresas vão lucrar com anúncios nos equipamentos. Em troca disso, terão a obrigação de arcar com o custo de instalação e manutenção.

O consórcio "Pra SP" (formado pelas empresas Odebrecht Transport, Rádio e Televisão Bandeirantes, Kalítera Engenharia e APMR) poderá explorar a publicidade nos abrigos. Pelo monopólio, apresentou outorga de R$ 167 milhões à Prefeitura de São Paulo.

O investimento na instalação dos modelos, com painel eletrônico e de estilo futurista, está previsto em R$ 300 milhões. Os quatro modelos, distribuídos conforme as peculiaridades do local, foram desenhados pelo designer Guto Índio da Costa. Ao todo, serão 6.500 novos abrigos, mais 12.500 totens indicativos da parada de ônibus.

O consórcio "A Hora de São Paulo" (composto pela JCDecaux Ameriques, JCDecaux do Brasil e Publicrono) terá o monopólio dos anúncios nos relógios. A outorga apresentada é de R$ 68 milhões. O investimento previsto na instalação dos relógios é de R$ 240 milhões.

Os relógios são criações dos arquitetos Ruy Ohtake e Carlos Bratke. Serão instalados, no máximo, 100 aparelhos na área central e, no mínimo, 150 em cada uma das quatro regiões de São Paulo. / ARTUR RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.