Em um mês, 11 toneladas de lixo são retiradas da Guarapiranga

Maior volume até então tinha sido registrado em fevereiro passado; total já chega a 132,5 toneladas

Fabiana Marchezi, do estadao.com.br,

12 Janeiro 2010 | 12h32

Mais de 11 toneladas de lixo foram retiradas da Represa Guarapiranga, na zona sul de São Paulo, em dezembro, durante os trabalhos do projeto Sabesp na Operação Defesa das Águas. O número é recorde desde o início dos trabalhos, em março de 2007.

 

Veja também

 

Lixo será 'péssimo cartão de visita' para Olimpíadas

 

Segundo a Sabesp, desde setembro, as equipes têm removido, por mês, mais de 100 mil litros (7,8 toneladas) de materiais sólidos, como plásticos, pneus, garrafas e pedaços de madeira. O maior volume havia sido registrado em fevereiro passado, quando 93,5 mil litros (7,3 toneladas) foram removidos da represa.

 

Em parceria com a Prefeitura de São Paulo, o projeto já coletou, no total, 132,5 toneladas de resíduos das margens da represa Guarapiranga, o suficiente para encher 283 caminhões basculantes.

 

Duas embarcações são utilizadas pelas equipes da Sabesp, que se deslocam para as margens dos rios e córregos (afluentes da Guarapiranga) e removem o lixo que flutua por ali. O material é armazenado e, posteriormente, recolhido pela prefeitura, que se responsabiliza pela destinação e reciclagem.

 

Nos últimos quatro meses, foram retiradas da Guarapiranga 36,2 toneladas de lixo, sendo 8,7 toneladas (111,3 mil litros) em setembro, 8,1 toneladas (103,6 mil litros) em outubro, 8,3 toneladas (106,1 mil litros) em novembro e mais as 11,1 toneladas (143 mil litros) de dezembro.

 

O ano de 2009 também foi o que registrou o maior volume de resíduos sólidos removidos da represa até aqui, com 56,3 toneladas (721,6 mil litros), superando as 55,5 toneladas (711,8 mil litros) de 2008. Em 2007, ano em que a operação teve início, 20,7 toneladas (265,7 mil litros) de lixo haviam sido retirados da Guarapiranga.

Mais conteúdo sobre:
Guarapiranga São Paulo represa lixo Sabesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.