EM TREINAMENTO, URUGUAIO ATENDE MULHER NA RUA

O médico uruguaio Gonzalo Lacerda Casaman, de 31 anos, do programa Mais Médicos, fez seu primeiro atendimento no Brasil às 13h de ontem, ao socorrer uma mulher que levou uma pancada de uma moto ao atravessar a rua, no município metropolitano de Vitória de Santo Antão, onde está sendo ministrado treinamento para os estrangeiros.

ANGELA LACERDA , VITÓRIA DE SANTO ANTÃO (PE), O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2013 | 02h09

"Entendi tudo o que ele disse", afirmou a ambulante Helena Paulina de Araújo, de 63 anos. "Ele me disse para ficar calma, me tirou da rua e me examinou", afirmou. O médico vinha do almoço e contou ter ouvido um barulho forte. Em seguida, viu a senhora no chão, no meio da Rua Eurico Valois, na área central, onde se localiza a Faculdade Miguel Arraes, em que ocorre o curso.

Casaman a levou para a calçada, fez um exame preliminar e percebeu escoriações no joelho e cotovelo esquerdos, sem gravidade. Como a pancada também atingiu o tórax de Helena e ele não tinha condições de investigar no meio da rua, pediu ao guarda de trânsito para chamar a emergência. Minutos depois, chegou um carro do Samu. Os profissionais de saúde fizeram curativos e levaram a mulher para fazer um raio X.

Gonzalo disse não ter imaginado que faria seu primeiro atendimento ainda nesta fase do programa. Ficou feliz por ter podido ajudar. "É para isso que estamos aqui", afirmou.

Helena Paulina de Araújo se consulta no posto de saúde do bairro de Bela Vista. "Quase não tem médico lá", criticou. "E, com certeza, valem a pena os médicos estrangeiros."

Procura. O caso teve até repercussão local. Fabiana Ferreira da Silva, de 33 anos, foi à tarde até a Faculdade Miguel Arraes. Com um documento de recomendação médica de cirurgia, ela se ficou frustrada quando a recepcionista informou que ali não se fazia atendimento médico. "Eu vi quando um médico atendeu a mulher que levou uma pancada de uma moto e vim atrás", contou. "Queria me consultar."

Fabiana disse ter um tumor de gordura e deve agora passar por cirurgia no Recife. "Queria que eles (os estrangeiros) me examinassem."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.