Estadão
Estadão

Em SP, rodízio deve ser ampliado para 240 km de avenidas em 2014

Restrição continuará seguindo as regras atuais, valendo nos horários de pico da manhã e da tarde, disse secretário

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

20 Dezembro 2013 | 13h17

SÃO PAULO - O rodízio de trânsito pode ser ampliado no ano que vem na cidade de São Paulo. A informação foi divulgada nesta sexta-feira, 20, pelo secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, em uma entrevista para revelar o impacto das faixas de ônibus no dia a dia dos passageiros. No início de janeiro, a Prefeitura publicará um estudo que mostra que mais 240 km de vias estão aptos a receber a restrição à circulação de veículos, que hoje vigora apenas no centro expandido da capital paulista.

"Você tem várias alternativas, a que melhor conseguiu dar um conforto para o usuário do carro e melhorou a mobilidade é ampliar o rodízio nas principais avenidas da cidade", disse Tatto. Devem receber o rodízio avenidas fora da região central, como Radial Leste, Engenheiro Luiz Carlos Berrini, Raimundo Pereira de Magalhães e Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello.

Com a medida, a Secretaria Municipal dos Transportes prevê um aumento da velocidade do trânsito de 20%.

A proibição manterá o padrão atual, ou seja, a cada dia dois números finais de placa ficam impossibilitados de circular nos horários de pico da manhã e da tarde. Não há intenção de aumentar o tempo do rodízio, afirmou o secretário.

De acordo com ele, foram feitas diversas simulações para expandir o rodízio. Um considerava a ampliação para a cidade inteira, por exemplo. Outra, aumentar o número de placas restritas. Mas o melhor cenário foi o que indicou a instalação do rodízio nas grandes avenidas, as chamadas "arteriais 1".

Fiscalização. Para evitar multas indevidas, Tatto disse que os veículos poderão cruzar essas avenidas sem serem considerados infratores. "Permitindo que o motorista do carro possa atravessar a avenida, portanto, de um bairro para outro."

A fiscalização será feita com radares. Mas Tatto disse que a aplicação de multas só deve começar alguns meses depois que o rodízio for decretado nessas vias, para que os motoristas tenham um tempo para se adaptarem à nova regra.

"Uma coisa é você anunciar que o rodízio está valendo a partir do dia 15. A outra coisa é a fiscalização. Então, se a CET disser para nós que precisam de três meses para sinalizar, então, a fiscalização começa daqui a três meses. Agora, a fiscalização não tem nada a ver com o início do rodízio, porque as pessoas podem começar a se comportar como tal", afirmou o secretário. "O sentido é reeducar o comportamento das pessoas."

A instalação de um pacote de mais de 800 radares começa em março. Os aparelhos flagrarão infrações como invasão de corredores e faixas exclusivas, excesso de velocidade e desrespeito ao rodízio.

No primeiro semestre, a CET já havia anunciado a intenção de ampliar o rodízio para algumas vias da cidade, mas o prefeito Fernando Haddad (PT) pediu para que as projeções de impacto no trânsito fossem refeitas. Os resultados obtidos nessa reanálise acabaram indicando o mesmo que o primeiro levantamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.