Em SP, 7 coletivos mantêm atos na abertura do Mundial

Grupos prometem fazer passeata na Radial Leste na abertura da Copa. Até festa junina está programada em protesto

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

09 de junho de 2014 | 21h00

SÃO PAULO - Embora o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), que reuniu mais de 10 mil pessoas nos dois últimos atos em São Paulo, tenha descartado protestar na Copa, pelo menos outros sete coletivos programaram ações para a abertura do Mundial, em São Paulo.

O “Grande Ato 12 de Junho Não Vai ter Copa”, organizado por seis coletivos, está marcado para as 10 horas de quinta-feira, 12, na frente da Estação Carrão do Metrô, da Linha 3-Vermelha.

O destino final deve ser a Arena Corinthians, a 11 quilômetros de distância, palco do primeiro jogo do Brasil. Se a possibilidade se concretizar, a Radial Leste, principal via de acesso ao Itaquerão, ficará congestionada justamente no horário de deslocamento de carros e ônibus para a partida, marcada para as 17h.

“Existe a possibilidade de seguirmos para lá, mas isso ainda vai ser decidido”, afirmou Paulo Spina, do Fórum Popular de Saúde do Estado de São Paulo, um dos grupos que organizam o ato. “O objetivo é protestar, sem violência, pela pauta de direitos sociais.” 

“Pretendemos fazer outros atos durante a Copa, mas ainda não temos mais detalhes”, afirmou Spina. “Vamos tentar unificar os diversos coletivos, até mesmo ter apoio dos metroviários”, disse.

O ato previsto para acontecer na quinta-feira terá a participação dos coletivos Contra Copa 2014, Território livre, Anonymous Brasil, Não Vai Ter Copa e Partido Pirata.

Festa junina. O Comitê Popular da Copa de São Paulo, que promoveu em 15 de maio, na Avenida Paulista, o “Dia Internacional de Lutas contra a Copa”, organizou outro ato para a abertura da Copa, o “Manifesta Junina”.

O evento será na Ocupação Mauá, na Luz, região central da cidade. “Zona livre e do povo, outro futebol é possível: sem empresas patrocinadoras, sem estádios com sangue operário, sem zona de exclusão, sem polícia e sem catracas”, conclama o evento no Facebook.

Segundo os organizadores, haverá festa junina na rua com direito a narração alternativa do jogo do Brasil, intervenções teatrais, banda de forró, quadrilha e brincadeiras típicas da data.

Tudo o que sabemos sobre:
Protestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.