Em São Sebastião, banca vira guichê de rodoviária

Com o terminal em reforma há 2 anos, passageiros esperam os ônibus na cidade em uma calçada sob o sol

Reginaldo Pupo, Especial para o Estado / SÃO SEBASTIÃO, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2014 | 02h00

Debaixo de sol escaldante, centenas de turistas aguardam para embarcar em ônibus intermunicipais sentados na calçada ou em cima de bagagens em São Sebastião, litoral norte. A "rodoviária", na verdade um guichê improvisado pela empresa que faz a ligação entre o litoral norte, o Vale do Paraíba e São Paulo, funciona precariamente.

Não há a mínima estrutura, como banheiros, bebedouros e guarda-volumes. O lugar é cheio de lixo, a calçada é irregular e o jardim de terra é invadido pela fila da bilheteria, improvisada em metade de uma banca de jornal. O problema existe há mais de dois anos, desde de que o terminal rodoviário "oficial" iniciou uma grande reforma.

"É uma situação vergonhosa para uma cidade turística como São Sebastião", disse o vidraceiro Aguinaldo Souza de Lima, de 42 anos, que na tarde de anteontem embarcaria com quatro familiares para São Paulo. Para usar o banheiro, ele disse que esperaria embarcar para aproveitar o sanitário do ônibus.

A diarista Maria Madalena Dias, de 42 anos, aguardava o ônibus com seus filhos gêmeos, de 4, e alguns familiares, sentada nas bagagens. "É difícil entender como uma cidade turística não tem uma rodoviária", disse ela, que passou o ano-novo em Ilhabela com parentes.

O segurança Clodoaldo Pereira, de 34 anos, disse que teve de andar mais de 2 quilômetros do bairro Porto Grande até a rodoviária improvisada para adquirir a passagem. "Para piorar, ao passar pela Avenida da Praia, tive de desviar o caminho, pois a faixa de pedestres se transformou em passagem para a área VIP dos shows que estão ocorrendo na cidade. A ciclovia e a pista onde são feitas as caminhadas têm parte da estrutura dos shows bloqueando a passagem e não dá para passar com as bagagens", disse.

A prefeitura não se manifestou sobre o assunto. Em nota divulgada recentemente, a administração informou que as obras estão em fase final, mas que "condições meteorológicas podem dificultar o cronograma". A nota não informa o prazo de conclusão, diz apenas que será "muito em breve".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.