Em São Paulo, 25 vias concentram 1/4 dos acidentes fatais

Número de mortes em 15 desses locais aumentou, apesar da queda de 6% nos registros totais em 2008

Agência Estado,

15 Abril 2009 | 09h03

As vias mais perigosas de São Paulo registraram aumento no número de acidentes fatais em 2008. Da lista feita pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) - e obtida com exclusividade pelo jornal O Estado de S. Paulo - que mostra as 25 avenidas com mais acidentes fatais de trânsito, 15 tiveram aumento no número de mortos nos 12 meses do ano passado, ante apenas seis que apresentaram redução no número de acidentes com morte. Foram 380 óbitos nessas 25 vias, o que representa aproximadamente 26% das vítimas fatais em toda cidade.

 

Veja também:

especialVeja o mapa do perigo no trânsito de SP

especialConheça os números dos acidentes nas ruas

documento Leia o relatório completo sobre o trãnsito

Isso significa que em 74% da cidade aconteceram as outras 1.083 mortes em acidente de trânsito. De acordo com a CET, em 2008 houve diminuição de 6% no número de mortes no trânsito paulistano, passando de 1.566 em 2007 para 1.463 no ano passado. A Marginal Tietê, com 24,5 quilômetros, é a líder no ranking de perigo nos últimos três anos. Foram 58 mortes em 2008, 48 no ano anterior e 49 em 2006. Também é na Tietê que está registrado o maior número de atropelamentos - 25 - e de colisões entre veículos - 20 -, e de outros tipos de acidentes fatais não especificados.

As vias que tiveram redução no número de acidentes fatais são a Avenida São Miguel, na zona leste da capital e a Estrada do M'Boi Mirim, na zona sul. Das 670 mortes de pedestres no ano passado, a Marginal do Tietê foi responsável por 25 delas. No total, as 25 vias mais perigosas tiveram 168 atropelamentos fatais. Em dezembro, a CET registrou 42 atropelamentos em toda a cidade. A Marginal do Pinheiros viu diminuir o número de mortos em toda sua extensão em 2008. Foram 29 em 2008 ante os 33 de 2007 e 37 em 2006.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.