Em Ribeirão Preto, plano já é até fazer 'puxadinho'

1,1 milhão de passageiros passam por ano pelo Leite Lopes, o aeroporto regional que mais cresce em SP; em 2006, eram 318 mil

/ NATALY COSTA, RODRIGO BURGARELLI, RENE MOREIRA, SANDRO VILLAR e CHICO SIQUEIRA, ESPECIAIS PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

08 Abril 2012 | 03h05

Nenhum aeroporto do interior paulista se destaca tanto quanto o Leite Lopes, em Ribeirão Preto, por onde passa atualmente 1,1 milhão de passageiros por ano - em 2006, esse movimento era de apenas 318 mil. Além de ser o que mais cresceu, já é também o mais lotado entre os aeroportos do Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp).

Tanto que, para suportar a demanda crescente, Ribeirão Preto deve ganhar um Módulo Operacional Provisório (MOP), a exemplo do que foi feito no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo. É o famoso "puxadinho".

Mas, por enquanto, a infraestrutura é tímida. A pista principal do aeroporto tem 2,1 mil metros, mas 15% não são usados nos pousos e decolagens por causa da proximidade com a área residencial.

O governo estadual prometeu ampliar aeroporto e pistas, mas problemas na desapropriação de mais de 300 imóveis no entorno estão emperrando as obras. A prefeitura local diz não ter o dinheiro - em torno de R$ 25 milhões - para remover os imóveis, a maioria em uma favela. O município quer recursos do governo estadual, que, por sua vez, garante ser essa uma obrigação do município.

A movimentação do Leite Lopes hoje se compara à de um aeroporto como o de Aracaju, com a mesma quantidade de passageiros. Colocados lado a lado, porém, os dois terminais não se comparam em termos de investimento. Na capital sergipana, as obras previstas vão somar R$ 306 milhões de investimentos pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Para Ribeirão Preto, o orçamento destinado no ano passado foi de R$ 9,5 milhões. O Daesp afirma que, para este ano, estão previstos R$ 70 milhões em investimentos - divididos entre os 31 aeroportos que administra.

Obras. Algumas obras de manutenção e ampliação já foram feitas nos aeroportos, sem resultados expressivos. O também lotado Aeroporto de São José do Rio Preto teve a sala de embarque ampliada em 60% há um ano, mas continua pequena para tanta gente.

O Daesp garante que os terminais de passageiros de Araçatuba, São José do Rio Preto e Presidente Prudente serão ampliados neste ano. Já Marília e Araraquara terão novo terminal.

Em Franca, que só opera com aviação executiva, a ideia é investir R$ 6 milhões para que passe a receber também voos comerciais regulares. Em Presidente Prudente, no aeroporto com voos diários para São Paulo, Campinas e Rio, ainda não há nem sequer tela de informações.

"Em um futuro próximo vai ter", garante Luiz Carlos Carrion, administrador do aeroporto, acrescentando que já existe projeto para instalação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.