Reprodução
Reprodução

Em nota, secretaria de Educação 'repudia' invasão de hackers

Pasta vai registrar boletim de ocorrência; invasão gera prejuízo para mais de 4 milhões de alunos, 300 mil servidores, entre professores e funcionários da rede estadual de ensino paulista

13 Junho 2013 | 10h35

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo afirmou, em nota à imprensa, que a invasão ao Portal da Educação, na madrugada dessa quinta-feira (13), prejudicou mais de 4 milhões de alunos, 300 mil servidores, entre professores e funcionários da rede estadual de ensino paulista. Segundo a pasta, será registrado um boletim de ocorrência e estão sendo tomadas "todas as providências cabíveis para o pronto restabelecimento do sistema".

Os hackers substituíram o conteúdo original do site por mensagens chamando para o protesto que ocorrerá nesta quinta-feira à tarde. Nenhum movimento ou pessoa se identificou como autor da invasão.

"Exigimos a redução da tarifa! Os supostos representantes devem ouvir a vontade do povo! Basta de políticos inócuos! Estamos acordados! Seus dias de fartura estão contados!", dizia a mensagem, às 00:50 de quinta-feira. "Dia 13 de Junho, 17h no Teatro Municipal de São Paulo! Todos às ruas!", completava.

Uma imagem de manifestantes segurando um cartaz em São Paulo com os dizeres "Se a tarifa não baixar, a cidade vai parar!" ilustrava a página. Uma foto de pessoas usando máscaras de protesto também foi colocada no site.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.