Em menos de três horas, dois incêndios na cidade

Fogo atingiu depósito de cosmético, na zona norte, e fábrica de produtos químicos, na zona oeste

Marcelo Fenerich e Maíra Teixeira, do Jornal do Tarde,

25 Novembro 2009 | 07h21

Dois incêndios atingiram a capital nesta terça-feira, 24,. O primeiro, no início da noite, destruiu parcialmente um depósito de cosméticos, no Bairro do Limão, zona norte da cidade. O outro atingiu uma fábrica de produtos químicos na Avenida Imperatriz Leopoldina, na zona oeste.

 

Cera derretida em depósito na zona norte colava em uniformes e capacetes dos bombeiros

 

Na zona norte, o fogo atingiu parte de um depósito de cosméticos no número 45 da Rua Paulo Emílio Salles Gomes, Bairro do Limão. Testemunhas disseram que o fogo começou por volta das 18h30.

 

Segundo o major Átila Gregório Ribeiro Pereira - capitão do 2º Grupamento dos bombeiros -, 70 homens e 20 viaturas foram enviadas ao local e apenas dois bombeiros sofreram queimaduras leves nas mãos e na cabeça com as pequenas explosões. “Como não havia nenhum funcionário no local, tivemos de arrombá-lo. Fizemos quatro linhas de frente e conseguimos controlar o fogo. Agora vamos investigar se a empresa poderia estar em funcionamento.”

 

Entre os produtos armazenados no local, havia cera de depilação. Os bombeiros tiveram muita dificuldade para controlar as chamas porque, além da fumaça, a cera derretida colava em seus uniformes e capacetes. “Ficamos cerca de 1h20 tentando controlar as labaredas. Apenas as áreas de manipulação e estoque da cera foram danificadas. O escritório continuou intacto”, afirmou o major.

 

Evitando dar declarações até à polícia, funcionários disseram que o nome da empresa é Bioclin. No momento do incêndio, a empresa já havia encerrado o expediente. A PM diz que a fábrica armazenava também gás.

 

Zona oeste

 

Às 20h50 de terça-feira, uma fábrica de produtos químicos na Avenida Imperatriz Leopoldina, 30, Vila Leopoldina, também pegou fogo. O fogo consumiu a fábrica porque boa parte do material encontrado no local era composto por produtos inflamáveis, como álcool e papel higiênico.

 

Fábrica na Vila Leopoldina continha produtos inflamáveis, como álcool e papel higiênico

 

O local, que fica atrás do prédio dos Correios, ficou completamente destruído. Segundo os bombeiros, 22 viaturas foram deslocadas até a fábrica e pelo menos 80 homens trabalhavam para conter o fogo. De acordo com um segurança da empresa, não havia mais ninguém trabalhando no local na hora do incêndio.

 

As causas do fogo ainda são desconhecidas. Às 5h30 desta quarta-feira, 25, 12 viaturas do Corpo de Bombeiros com cerca de 25 homens permaneciam trabalhando no rescaldo do incêndio e buscavam possíveis focos de fogo.

Mais conteúdo sobre:
incêndio vila leopoldina

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.