Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Em meio à crise, governo de SP fiscaliza 300 km de rios para barrar furto d’água

Sobrevoos ocorrem em busca de captações clandestinas e blitze em indústrias e fazendas já resultaram em 12 multas e 170 advertências por retiradas sem autorização e com volume superior ao permitido

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

19 Julho 2014 | 18h01

A escassez hídrica em São Paulo levou o governo Geraldo Alckmin (PSDB) a lançar uma ofensiva contra o furto de água na Grande São Paulo e em cidades do interior abastecidas pelo Sistema Cantareira, que passa pela pior estiagem da história. Só na região de Campinas, mais de 300 quilômetros de rios foram sobrevoados em busca de captações clandestinas e uma série de blitze em indústrias e fazendas já resultou em 12 multas e 170 advertências por retirada de água sem autorização e com volume superior ao permitido.

O cerco às fraudes em captações diretas nos rios foi intensificado em maio pelo Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), responsável pela fiscalização, a pedido do secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Mauro Arce. À época, o Cantareira estava com cerca de 9% da capacidade, e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) ainda não havia iniciado a retirada do volume morto do manancial, reserva de água represada abaixo do nível das comportas de captação. A pasta não informou os nomes dos responsáveis flagrados na operação. 

Segundo a secretaria, apenas entre maio e a última sexta-feira, 282 locais já haviam sido vistoriados pelos fiscais, a maioria com captações subterrâneas (119). Mas são as retiradas superficiais, onde 84 pontos já foram alvo de blitze, que mais preocupam. No dia 10, técnicos da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa) de Campinas acompanharam o sobrevoo do Rio Atibaia, que abastece 95% da cidade, em busca de captações clandestinas. Antes da crise, as fiscalizações praticamente só ocorriam quando havia denúncia.

Segundo a empresa, a suspeita é de que as retiradas irregulares sejam responsáveis pelas quedas repentinas de até mil litros por segundo na vazão do rio na chegada ao município. Técnicos da empresa acreditam que a água possa estar sendo desviada para encher açudes particulares da região. Procurado, o presidente da Sanasa, Arly de Lara Romêo, não quis gravar entrevista.

Fraudes. Em outra ponta, o cerco a residências e comércios feito pela Sabesp desde janeiro resultou em 5.560 flagrantes de fraudes até maio nas cidades onde opera na Grande São Paulo e na região de Bragança Paulista. De acordo com a companhia, o volume de água desviado em ligações clandestinas chega a 1 bilhão de litros, suficiente para abastecer 250 mil pessoas por um mês, população somada dos bairros da Penha (zona leste) e da Vila Mariana (zona sul), na capital paulista.

Ainda segundo a Sabesp, os suspeitos flagrados pela fiscalização, que tem o apoio da polícia, são levados para a delegacia e indiciados por furto, cuja pena é de 1 a 4 anos de prisão, além da aplicação de multa. A empresa informou ainda que cobra pelo volume de água que foi desviado. 

Apesar dos esforços para “recuperar” água, o nível dos dois principais reservatórios que abastecem a Região Metropolitana de São Paulo continua em queda. Além do Cantareira, que opera com cerca de 17% da capacidade, o Alto Tietê ficou abaixo de 23% pela primeira vez em uma década.

Mais conteúdo sobre:
cantareira agua sabesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.