Em Marília, PMs levaram 8h para embarcar armados

Em Marília, a falta de agentes da PF causou revolta ao policial militar Rinaldo da Silva, de 42 anos, e à mulher, Juliana Menini Jaquier da Silva, de 27, que também é PM. Os dois foram impedidos de embarcar no voo da Azul Linhas Aéreas em 16 de novembro porque não conseguiram liberar a viagem com as armas.

O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2011 | 03h03

Só depois de oito horas é que agentes da PF apareceram e os dois conseguiram embarcar. A PF atribuiu à companhia aérea a responsabilidade por impor regras específicas para o embarque de pessoas armadas. A Azul afirmou que o PM não compareceu com antecedência mínima de duas horas para o check-in.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.