Em junho, boemia de SP terá Bar Riviera de volta

Ponto de encontro de artistas nos anos 1970, como Elis Regina e Chico Buarque, local reabrirá mantendo características da época

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

12 Março 2013 | 02h03

Na esquina da Rua da Consolação com a Avenida Paulista, o letreiro de néon do Bar Riviera, fechado em 2006, voltou a funcionar. Anuncia: "Em breve". A casa ponto de encontro de artistas, como Elis Regina e Chico Buarque, nos anos 1970, entrou em ritmo de reforma e em junho abre as portas.

As obras devem revitalizar o estabelecimento, mantendo suas principais características. O famoso balcão vermelho, peça clássica do bar, por exemplo, será mantido. O projeto prevê dois ambientes: o térreo ficará reservado para o bate-papo, enquanto no primeiro andar haverá um espaço dedicado a um clube de jazz, além de um palco para shows e performances de artistas da nova geração da MPB.

Localizado no térreo do Edifício Anchieta - um dos primeiros prédios modernos da região, com apartamentos dúplex -, o bar tem pé-direito alto e paredes de vidro arredondadas que dão certo charme para o salão.

O ponto agora pertence a Facundo Guerra, dono também do Cine Joia e do Lions, entre outras casas. O empresário é conhecido por abrir novos negócios em pontos decadentes da cidade, desencadeando o renascimento da área. Vale lembrar que Guerra abriu o Vegas Club em 2005, no Baixo Augusta, quando no entorno só funcionavam casas de prostituição.

Depois o sucesso da casa, fechada no ano passado, outras baladas surgiram, transformando esse pedaço do centro em uma "Disneylândia" das mais diversas tribos de jovens paulistanos.

Gastronomia. Para cuidar do cardápio do novo Riviera, Guerra chamou o chef Alex Atala, proprietário do aclamado D.O.M. "Existe pouquíssima coisa na internet sobre o bar, por isso encomendei uma pesquisa para saber como era o cardápio", conta Atala, que pretende ser coerente com a história do bar.

A pesquisa tem a ajuda de Renato Mariscalco, filho do dono original - ele trabalhou com o pai durante anos. O sanduíche Royal, que era servido dentro de uma omelete, é um dos pratos clássicos do antigo Riviera que está na lista do chef. "Mas só vou começar a desenvolver o novo cardápio em abril", diz Atala.

A cereja do bolo do projeto, porém, é a tentativa dos sócios de trazer de volta para o salão do Riviera o seu Juvenal (foto à esq.), icônico garçom que ainda é lembrado pelos nostálgicos frequentadores da década de 1970.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.