Em jogo de abertura de base policial, PM goleia dependentes químicos

Posto na Cracolândia tem 24 PMs e o monitoramento dos arredores é feito por 16 câmeras instaladas no Largo Coração de Jesus

Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

03 de junho de 2014 | 19h51

SÃO PAULO - Um jogo de futebol entre policiais militares e dependentes químicos do programa municipal de Braços Abertos fez parte da abertura oficial da nova base comunitária da Polícia Militar que fica no Largo Coração de Jesus, na região da Cracolândia,nesta terça-feira, 3. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) inauguraram oficialmente nesta tarde o projeto que incluiu também a reforma da praça em uma parceria com a seguradora Porto Seguro,cuja sede fica a um quarteirão do local.

Conforme o Estado adiantou na sexta-feira, 30, a nova base fixa da Polícia Militar tem 24 policiais e o monitoramento dos arredores é feito por 16 câmeras instaladas no Largo.A praça ganhou bancos grafitados, duas quadras reformadas,academia ao ar livre e brinquedos restaurados. "Esse projeto é um símbolo de restauração não só da área, mas também da relação com a comunidade", disse o Tenente William Thomaz, um dos responsáveis pelo projeto.

Para o prefeito Fernando Haddad, a reinauguração da praça fará com que a população volte a frequentar esse espaço de lazer. "Se você conhece a região sabe que está muito melhor que há um ano. Não vamos admitir nenhum retrocesso. Vamos colocar toda a força governamental para que a cada dia fique melhor", disse o prefeito, que caminhou pelas ruas da Cracolândia após a inauguração. 

Alguns moradores do bairro foram conferir o resultado da reforma da praça já na tarde desta terça-feira. "Acho que melhorou bastante porque esse espaço estava muito desorganizado e degradado. Eu só espero que continue como está hoje", disse a atendente Cida Araújo, de 23 anos, enquanto fazia exercício em um aparelho de ginástica instalado na praça.

Na frente de Cida, uma pequena plateia acompanhava a partida de futebol entre um time de policiais militares e de beneficiários do Programa De Braços Abertos. O placar foi de 10X1 para os PMs, mas o gol dos usuários de crack foi o mais comemorado da praça. "Eu sabia! Pelo menos um gol!", gritava um dependente químico que assistia à partida. O jogo fez parte de um torneio programado para a inauguração da base da PM que reuniu times de imigrantes bolivianos, de moradores de abrigos da prefeitura entre outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.