Márcio Fernandes/AE
Márcio Fernandes/AE

Em greve, guardas municipais fazem manifestação no centro

Categoria pede melhorias no salário e nos benefícios; protesto começou na sede da GCM e foi para Prefeitura

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

25 de agosto de 2009 | 10h14

Um grupo de guardas civis municipais se reuniram por volta das 6h desta terça-feira, 25, em frente à sede da Guarda Civil Metropolitana, no Viaduto do Chá, no Centro de São Paulo, por conta de uma greve iniciada na meia-noite para reivindicar melhorias no salário e nos benefícios. Ainda pela manhã, os manifestantes seguiram para a frente da Prefeitura, onde fez uma manifestação.  

 

A categoria pede reajuste de salário-base, aumento do porcentual de gratificação para 140% - o índice atual é de 60% -, a implementação do plano de estruturação de carreiras e melhores condições de trabalho e higiene. O ato marca a primeira greve da categoria desde sua criação, em 1986.

  

A deflagração da greve ganhou força depois da análise de uma pesquisa encomendada pela entidade. De 29 municípios paulistas consultados, São Paulo mostrou ter a pior remuneração profissional. "A média de salários nos municípios pesquisados é de R$ 1.700", diz o presidente do sindicato, Carlos Augusto Souza Silva. "A categoria em São Paulo recebe R$ 895. É muito pouco." Com o incremento de 140% nas gratificações, os vencimentos da classe passariam para R$ 1.281.

 

Silva espera adesão à paralisação de 70% da categoria, dentro de um contingente de 3.570 profissionais. Segundo o sindicalista, em abril a pauta de reivindicações foi protocolada na sede da Prefeitura, mas até agora não houve uma resposta. A greve foi aprovada em assembleia realizada quarta-feira, quando foi interrompida a fiscalização do comércio ambulante no centro de São Paulo.

 

Uma das recomendações dadas durante uma assembléia feita na segunda pela categoria é que os funcionários entrem em contato com a entidade se forem ameaçados durante a paralisação. A prefeitura ainda estuda alternativas para manter a vigilância no município durante a greve.

 

(Com Gustavo Uribe, da Agência Estado)

 

Atualizado às 13h59 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.