Em estado grave, universitário perde rim

O universitário Christopher Akio Cha Tominaga, de 24 anos, perdeu um rim em consequência dos quatro tiros que levou. Consciente e respirando sem aparelhos, ele está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital de São Paulo e seu estado ainda é considerado grave. Segundo boletim médico, na quinta-feira o jovem foi submetido a uma cirurgia de cerca de 12 horas para a retirada das balas. Os tiros atingiram as pernas e a barriga do estudante. Não há previsão de alta.

, O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2011 | 00h00

Ontem, colegas da Fundação Getulio Vargas (FGV) vestiram roupas brancas e pretas em homenagem a Júlio César Grimm Bakri. Os estudantes interromperam as aulas entre as 11h e meio-dia. "Ficamos um período em silêncio. As pessoas estão assustadas com tudo o que aconteceu", disse um estudante. Segundo ele, pelo menos 90% dos alunos foram para a faculdade com alguma peça de cor preta ou branca. Quem improvisou a homenagem acabou aderindo a lenços amarrados no pulso ou no braço.

Uma das funcionárias da FGV afirmou que nos corredores as conversas giravam apenas em torno do assassinato a tiros ocorrido no bar. Uma jovem que chegou toda de branco para assistir às aulas disse que conhecia Bakri de vista e não integrava o círculo de amigos do jovem, mas que fazia questão de mostrar sua "indignação" diante do crime.

Mesmo quem é de fora do circuito de alunos ficou assustado com o crime. "Estamos sempre por aqui e nunca ouvimos falar de confusão nesse bar", afirmou um morador da Avenida 9 de Julho, que também frequenta o estabelecimento onde dois homens entraram armados. "Eu acho que o bar mesmo não tem nada a ver com esse caso. Está sempre cheio de jovens e as pessoas se conhecem, mas hoje (ontem) estava vazio."

Ontem, apenas uma das cinco mesas espalhadas na calçada estava ocupada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.