Em dois meses, Heliópolis só terá lâmpadas de LED

Bairro será o primeiro totalmente iluminado da cidade; Prefeitura de São Paulo não informa o custo da troca

Gustavo Lopes , O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2015 | 02h01

A cidade de São Paulo terá em dois meses um bairro totalmente iluminado com lâmpadas de LED. Heliópolis, na zona sul, receberá os novos equipamentos a partir do próximo mês e os trabalhos devem ser concluídos até novembro, segundo a Secretaria Municipal de Serviços. As lâmpadas de LED consomem menos energia, iluminam mais, o que aumenta a sensação de segurança, e duram cerca de dez anos, o dobro do tempo em relação às de vapor de sódio, instaladas atualmente na cidade.

"Várias ruas, como a Estrada das Lágrimas, vão receber 970 luminárias de LED, em um prazo de 45 a 60 dias, de acordo com o (cronograma do) Ilume (Departamento de Iluminação Pública)", disse o secretário de Serviços, Simão Pedro.

As luminárias serão instaladas tanto voltadas para a rua quanto para a calçada. Os recursos para a troca são provenientes da Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública (Cosipe) - uma taxa recolhida pelo Município em razão do uso da energia elétrica.

"Estamos realizando essa troca com o contrato atual. Nós tínhamos um saldo que permitiu alterar a iluminação na Marginal do Pinheiros, Elevado Costa e Silva e agora em Heliópolis", disse Pedro, que não informou qual será o custo total da troca.

A escolha do bairro foi feita após conversas com a comunidade. "É um bairro bem organizado, por isso escolhemos para começar a experiência", disse Pedro. O restante da cidade terá de esperar. A licitação da Parceria Público-Privada (PPP) da iluminação está sob análise do Tribunal de Contas do Município (TCM). Hoje haverá reunião entre TCM e Prefeitura.

Tudo o que sabemos sobre:
Heliópolis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.