Em Cumbica, só 13% adotam check-in online

O passageiro de Cumbica ainda não aderiu a um expediente que ajuda e muito a reduzir filas nos aeroportos: o check-in online. Segundo pesquisa feita pela empresa de tecnologia da informação Sita, com quase 3 mil passageiros em seis aeroportos do mundo, 87% dos entrevistados em Guarulhos ainda preferem fazer o check-in no balcão, ainda que grande parte tenha acesso à internet em casa e no celular.

O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2011 | 03h03

A explicação está nos hábitos de viagem do passageiro de Cumbica. De acordo com a Sita, 60% dos entrevistados afirmaram ter preferido enfrentar a fila do check-in por ter bagagem para despachar. "Cumbica ainda está engatinhando no autoatendimento porque a entrega de bagagem não está otimizada. No fim, quem viaja com mala sabe que vai pegar fila de qualquer jeito, então acaba abrindo mão do check-in online", afirma Elbson Quadros, diretor de contas da Sita. Ele cita aeroportos de Abu Dhabi e Hong Kong, que oferecem despacho de bagagem remoto - o passageiro se livra das malas no hotel ou nas estações de trem e chega no aeroporto só para embarcar. "Em Munique, você mesmo pode imprimir sua etiqueta de bagagem. Leva 30 segundos". / N.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.