Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Em caso de necessidade haverá rodízio de água, diz Alckmin

Governador também disse que prevê obras de interligação entre a Represa de Taiaçupeba e o Sistema Rio Grande

O Estado de S. Paulo

03 Fevereiro 2015 | 12h55

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta terça-feira, 3, que, se necessário, o racionamento de água poderá ser utilizado em São Paulo para enfrentar a crise hídrica. A medida, afirmou o dirigente, seria anunciada com antecedência para a população.

Ao ser questionado sobre o possível rodízio de cinco dias sem água e dois dias com abastecimento, cogitado na semana passada por Paulo Massato, diretor metropolitano da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o tucano respondeu que seu governo trabalha "com absoluta responsabilidade e sempre com orientação de natureza técnica". Além disso, falou que também há um esforço para "aumentar a produção de água".

Porém, não descartou a hipótese levantada pelo técnico da Sabesp. "Se houver necessidade, essa é uma avaliação que é feita permanentemente, a Sabesp se prepara para ela. Fará com antecedência, orientará a população", disse o governador após uma cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, na zona sul da capital paulista. "E todo o dia estamos trabalhando para de um lado procurar reduzir demanda prejudicando o mínimo possível a qualidade de vida da população e de outro lado aumentando a oferta, mesmo contando não com a chuva, mas onde nós temos reserva."

Interligação. Alckmin declarou ainda que a Represa de Taiaçupeba passará a receber mais 2 metros cúbicos de água por segundo do Sistema Rio Grande.

"Estamos trabalhando com absoluta responsabilidade e sempre com orientação de natureza técnica. De um lado, para aumentar a produção de água. A própria Sabesp vai executar a obra, vai trabalhar sábado, domingo, de noite, para fazer essa interligação. São 11 quilômetros. Estamos trabalhando com a expectativa de até maio a gente conseguir ter não os quatro, mas já a primeira linha de tubos de 2 metros, depois podemos ter uma segunda linha de tubos."

O tucano também comentou que o consumo de água no Sistema Cantareira, um dos principais da Grande São Paulo e que já opera na segunda cota do chamado volume morto, foi de 14,7 metros cúbicos por segundo nas últimas 24 horas. Por sua vez, a entrada de água foi de 26,9 metros cúbicos por segundo. "Então, estamos administrando isso com bastante rigor, com a questão técnica e bastante colaboração da população."

Mais conteúdo sobre:
Sabesp crise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.