Em caso de apedrejamento, motorista não deve parar carro

Segundo especialistas, é melhor seguir com o veículo até local de grande movimento para evitar assaltos

Ítalo Reis, estadao.com.br

09 de maio de 2008 | 22h22

Motoristas nunca devem parar o veículo caso sejam apedrejados. É o que apontam especialistas ouvidos pelo estadao.com.br nesta sexta-feira, 9. A medida impede a abordagem de assaltantes, como aconteceu na quinta-feira, quando Eleno José da Silva, de 63 anos, foi morto na Marginal do Tietê, após seu carro ser atingido por pedras, na última quinta-feira.   Para o presidente da Associação Brasileira de Empresas de Vigilância e Segurança (Abrevis), José Jacobson Neto, nesses casos, o melhor é seguir até algum comércio ou local com movimentação. "Se o trânsito está fluindo normalmente, a pessoa não deve parar o veículo. Deve continuar o trajeto e parar em um local com maior movimento, um shopping, um supermercado ou posto da polícia".   O presidente da Associação de Delegados da Polícia Federal (ADPF), Sandro Torres Avelar, aconselha que o motorista deve estacionar apenas em casos extremos. "Em horário perigoso, onde a exposição é maior, onde não haja movimento, o melhor é evitar parar o veículo. O motorista deve estacionar apenas se for inevitável". Segundo ele, se for necessário parar e o motorista for abordado, o melhor é não reagir ao assalto. "Jamais reagir, essa é a recomendação".   Jacobson Neto afirma que não reagir é uma norma básica para o motorista, pois o dano material não vale nenhuma vida e a condição do criminoso é sempre imprevisível. "O motorista deve dirigir com atenção e cuidado. Em caso de tentativa de assalto com arma, a pessoa não deve reagir de maneira alguma. Deve entregar o veículo pois o assaltante pode estar nervoso ou com efeito de drogas. O motorista não deve se preocupar com o dano material".   Outro ponto que os especialistas destacam é o contato imediato com a polícia, mesmo que o veículo não seja roubado. Desta maneira, o local poderá ser patrulhado. "É muito importante chamar a polícia, acionar o 190. São eles os responsáveis pela segurança da população. O incidente sempre deve ser comunicado a autoridade policial", lembrou o presidente da Abrevis.

Tudo o que sabemos sobre:
assaltosviolênciapolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.