'Em Aparecida, aguardamos até 300 mil romeiros'

Presidente da CNBB, d. Damasceno diz que o papa quer 'rememorar' os dias que passou na cidade

Entrevista com

José Maria Mayrink, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2013 | 02h02

O cardeal-arcebispo de Aparecida, d. Raymundo Damasceno Assis, definiu a ida do papa Francisco ao Santuário Nacional de Aparecida como uma visita devocional que o pontífice incluiu no programa da viagem ao Rio para pedir à Virgem Maria que abençoe a Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Em entrevista ao Estado, o cardeal, que é também presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), disse esperar a presença de 300 mil devotos na missa que Francisco celebrará no santuário.

O papa Francisco passará algumas horas em Aparecida. Como será a programação?

O papa passará praticamente o dia todo em Aparecida. Chegará aqui por volta das 8h30 e sairá à tardinha para um compromisso no Rio de Janeiro. O ato principal de seu programa aqui será a celebração eucarística (missa) às 10 horas. Depois, ele estará no Seminário Missionário Bom Jesus, lugar também da Pousada Bom Jesus, para sua refeição com aqueles que o acompanham nessa viagem a Aparecida. O papa passará aqui, em 24 de julho, o primeiro dia de suas atividades públicas.

Por que ele resolveu começar a viagem por Aparecida?

Para dar uma demonstração de sua devoção pessoal a Nossa Senhora, invocada no Brasil com o título de Nossa Senhora Aparecida. E também para rememorar um pouco aqueles 20 dias que passou aqui por ocasião da 5.ª Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, em maio de 2007, como presidente da Conferência Episcopal Argentina e como delegado. Como ele mesmo me disse, foram dias muito agradáveis.

Francisco vai almoçar e talvez repousar um pouco nos aposentos do papa na Pousada Bom Jesus?

Ele ficará aqui no Seminário Bom Jesus, que, pela terceira vez, recebe um papa. Teremos a graça de ter, mais uma vez, a visita de um pontífice (João Paulo II em 1980 e Bento XVI em 2007 se hospedaram no seminário). O papa Francisco virá do santuário no papamóvel, percorrendo o centro da cidade e facilitando assim uma aproximação maior com os romeiros que virão a Aparecida. Do seminário, ele voltará de papamóvel ao santuário, onde tomará o helicóptero de volta ao Rio.

O senhor o acompanhará?

Eu estarei no Rio no dia 22 para a chegada do papa e imediatamente virei para Aparecida, a fim de acolhê-lo como anfitrião. Não vou viajar com ele no helicóptero, pois terei de seguir o protocolo.

Por que o senhor considera a visita do papa a Aparecida emblemática, como afirmou?

Pelo seu significado. Nossa Senhora Aparecida é a padroeira do Brasil e o seu santuário, se não for o mais visitado do mundo, é o mais visitado da América Latina, com 11 milhões de romeiros que vêm aqui por ano.

O senhor espera um grande movimento de pessoas no dia 24 de julho?

Certamente haverá um grande público, embora seja um dia de semana (quarta). A visita do papa é um evento especial. Aguardamos um número grande de pessoas, acima de 200 mil, talvez 300 mil romeiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.